Blog do Sabones - Expediente

Blog do Sabones - Expediente

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Loja Maçônica "Amor a Ordem" - 118 anos em SJN


Uma das mais antigas instituições da cidade com o objetivo de encontrar o equilíbrio 
e a melhoria da sociedade (Foto: Portal Fatos Net)

Uma história que de certa forma confunde com a da própria cidade. A Loja Maçônica “Amor á Ordem” de São João Nepomuceno, fundada em 1º de dezembro de 1.898 com 34 homens, sendo eles de seis nacionalidades (brasileira, belga, chilena, espanhola, italiana, libanesa, portuguesa e síria). Destes, 15 eram brasileiros e 12 italianos. Esse número expressivo de europeus fez com que na década dos anos 40, com o advento da 2ª Guerra Mundial e a Itália um dos países aliados ao eixo com a Alemanha e Japão, uma perseguição do governo brasileiro.


 Porém, a maçonaria sobreviveu este impasse e no último dia 1º, uma sessão foi aberta na Loja Maçônica “Amos à Ordem” de São João Nepomuceno em comemoração aos 118 anos de atividades. “Amor à Ordem nos mostra, que ela tem sido protagonista ou coadjuvante notável ao longo de sua existência, em muitos dos relevantes fatos e feitos que proporcionaram e continuam proporcionando conforto e bem estar à nossa sociedade, isso gerando grande respeito em relação à nossa Loja e à própria Maçonaria”, disse o maçon Vagner Aquino, que recebeu nossa equipe na Loja, na Rua Presidente Getúlio Vargas, centro da cidade. 
Loja Maçônica "Amor a Ordem" de São João Nepomuceno
Na entrada, Vagner que está na maçonaria há 45 anos, e que já foi presidente da casa, hoje é pesquisador da Loja são-joanense e mostrou-nos uma galeria de fotos das pessoas que já foram presidentes e detalhou importantes feitos de cada um deles/
Sr. Vagner Aquino
“Estou buscando relatos e registros da história de nossa Loja e pretendo escrever tudo para que futuras gerações possam conhecer nossos trabalhos. Inúmeras pessoas ligadas à nossa Loja gravaram seus nomes na história dessa cidade, através das mais variadas formas. Como prova disso, notamos uma parcela considerável de logradouros públicos (ruas), praças, educandários, grêmios recreativos (ESACA) ou culturais, tanto na sede e nos distritos de nosso município, com os nomes de pessoas que já passaram por esta casa maçônica”, citou. 

Entre os nomes dos maçons citados por Vagner temos: Praças: Cel. José Brás, Dr Augusto Glória e Dr. Péricles Vieira de Mendonça. Ruas: Abrahim Camilo Ayupe, Afrânio Furtado, André Gotti, Ângelo Picorone, Antônio Cavalheiro, Antônio Fonseca Lobão, Augusto Veiga, Bruno Bambino, Cel. Augusto Pacheco de Rezende, Daniel Sarmento, Daniel Pezzini, Dario de Castro Medina, Devolde de Castro Medina, Francisco Zágari, Dr. Fortes Bustamantes, George Heughbaert, Horácio Furtado de Mendonça, Mauro Elpídio Nogueira, Miguel Manzo, Nagib Camilo Ayupe, Narciso Leite, Waldeck Henriques, entre outros. 

O maçon Vagner ainda informou outro interessante dado sobre a política são-joanense que teve a participação da maçonaria. “Desde 1.883, quando a cidade teve sua regularização municipal e assim os seus governantes como chefes do executivo, interventor e prefeitos, são 133 anos de história e 73 deles com esses cargos ocupados por maçons. 

Segundo os relatos de Vagner, a Loja são-joanense esteve com seus membros em importantes participações de construções, estruturações e coordenações de diversas instituições na cidade como o Hospital São João, o Asilo entre outros. “É claro que tudo isso só foi possível com a participação da população desta cidade que é solidária e acolhedora”, afirmaram os maçons em registros.

Mitos e verdades

Sr. Edson dos Santos (atual presidente da Loja são-joanense)
Aproveitamos a reportagem para questionar ou pode-se dizer, “tirar algumas dúvidas” sobre a maçonaria. Na presença do atual presidente da Loja “Amor à Ordem”, o sr. Edson dos Santos uma explicação simples, mas que traz a objetividade dos encontros e reuniões. “É preciso deixar claro que maçonaria não é religião. Temos membros católicos, espíritas, etc. Não discutimos religião aqui dentro, temos o mesmo Deus e o objetivo é de fazer o bem e procurar melhorar a cada dia. A meta é a conduta do homem. Não somos perfeitos, mas buscamos aprimorar”, explicou o presidente. 

O maçon Vagner aproveitou o momento para uma mensagem. “A maçonaria não é filosofia, mas um lugar para filosofar. Não temos distinções. O importante é a alma, não a matéria. Não importa a cor de pele, situação econômica ou religião da pessoa. Procuramos o caráter de cada um”. Ainda sobre ser para muitos uma instituição secreta, os maçons divertiram com o tabu lançado por muitos anos, mas explicaram que são discretos. “Temos CNPJ, endereço e a sociedade sabe quem são os nossos 27 maçons e ainda temos até sessões abertas ao público. Se fosse secreto, com certeza não teríamos essas coisas, não acha? Os assuntos de nossas sessões são resolvidos entre nós, como qualquer empresa ou instituição. Seguimos um ritual antigo, não posso precisar de quando surgiu, mas pode ser que tenha sido junto às antigas civilizações de organização humana, como os egípcios e os gregos". 

Márcio Sabones

Um comentário:


  1. Que o G.'.A.'.D.'.U.'. esteja sempre a iluminá-los.
    Um T.'.F.'.A.'. a todos.

    ResponderExcluir