Blog do Sabones - Expediente

Blog do Sabones - Expediente

terça-feira, 17 de março de 2009

"As baixarias dos Big Brothers por todo o mundo"


Na última segunda-feira (23), a sister Priscila, do BBB 9, deixou o pudor de lado e fez revelações polêmicas. Ela disse que se acha nota 10 na cama, já transou a três e até bateu no namorado.
Para alguns espectadores, esse tipo de exposição da privacidade só reforça a fama de “apelativo” ou “baixo nível” às vezes associada ao reality show. Mas muitos se surpreenderiam com baixarias bem piores que acontecem nas edições internacionais do “Big Brother”.

Existem 45 versões do Big Brothers pelo mundo. A maioria deles são edições nacionais, mas alguns agregam vários países, como os da África, dos Bálcãs, Pacífico e Escandinávia. O primeiro Big Brother foi ao ar em 1999, na Holanda.

Nos Estados Unidos, o prêmio é de 500 mil dólares. Na Inglaterra, de 100 mil libras (145 mil dólares). Em 2001, o prêmio do BB Austrália foi de 1 milhão de dólares australianos (650 mil dólares americanos). Porém, com o tempo o prêmio foi diminuindo e, em 2008, foi de apenas 250 mil (165 mil dólares). Na Argentina o prêmio também diminui. Nas duas primeiras edições foi de 200 mil pesos (70 mil dólares) e depois virou 100 mil pesos (30 mil dólares).

A seguir, exemplos chocantes do programa em outros países:

- No Big Brother Inglaterra, o participante Jason, vestindo apenas uma toalha, abraçou uma sister e ficou todo animado. Em vez de se refugiar das câmeras e dos olhares dos outros moradores, o fortão saiu pela casa, sem nenhuma reserva. A produção não perdoou e abusou de closes explícitos.

- Não é só no Brasil que já rolou sexo embaixo do edredom. No BB EUA, por exemplo, vários casais não tiveram pudores na casa – na nona edição do BB americano, Ollie e April fizeram sexo já na primeira semana e depois repetiram as cenas por várias vezes. No BB Dinamarca a coisa foi além. Em 2003, a confinada Sissel engravidou de Robert ainda na casa.

- No Big Brother Bulgária, em agosto de 2008, dois confinados deixaram o bate-boca de lado e partiram para um dos conflitos mais violentos de todas as edições do reality show no mundo inteiro. Um dos esquentadinhos chega a desferir 16 socos enquanto o rival ainda está no chão! E ninguém da casa interfere: o “deixa-disso” teve que partir da produção do programa.

- No Brasil a galera vive preocupada em não mostrar nada. Mas, na Europa, a coisa é mais liberal. Topless é até coisa corriqueira. No BB britânico, por exemplo, Mario ensaboou Lisa, sem sutiã e com a calcinha abaixada.

- Um escândalo atingiu o Big Brother Austrália em 2006. No meio da noite, um dos confinados segurou uma colega, enquanto o outro bateu no rosto da garota com o pênis. No dia seguinte, Ashley e John foram expulsos do programa.

- A fervidíssima Natalie, Big Brother EUA, também era chegada em presentear seus colegas de confinamento com um show erótico intenso. Às vezes, alegrava até três rapazes simultaneamente E, assim como Pri, também adorava uma calcinha vermelha – mas muito menor que a da brasileira.

- A segunda edição do Big Brother África teve um escândalo sexual ainda pior. Depois de muita bebida, duas sisters passaram tão mal que tiveram de ser carregadas para o quarto. Também bêbado, um confinado deitou no meio das duas, tirou a roupa delas, começou a acariciá-las e penetrou a vagina de uma das garotas com o dedo. A transmissão ao vivo foi cortada e médicos foram enviados para cuidar das confinadas. Mesmo assim, o brother Richard não foi expulso e ainda venceu o programa. Grupos de direitos das mulheres protestaram e até tentaram cancelar o BBA, sem sucesso.

- O Big Brother Arábia causou muito polêmica. Exibido em países muçulmanos, a casa era divida. Havia quartos, banheiro e salas de oração separados para homens e mulheres, que só podiam se encontrar no jardim e na cozinha. Cinco vezes por dia o alarme soava para que os confinados fizessem suas orações. Mesmo assim, houve muitos protestos quando um dos homens conseguiu se infiltrar no lado feminino e o programa foi cancelado depois de 11 dias no ar.

- No segundo Big Brother americano uma ameaça de morte desclassificou um participante. Justin pegou uma faca, encostou no pescoço de uma colega e perguntou: “você ficaria brava se eu te matasse agora?”. O malucão foi tirado da casa na mesma hora.

- No BBB, se um participante agredir outro fisicamente é imediatamente expulso do programa. Porém, na Europa Oriental, a porrada come solta. Nos Big Brothers da Rússia e Bulgária, por exemplo, os brothers trocaram socos e pontapés.

- No Big Brother Alemanha, Serafino e Steffi foram bem menos tímidos: o casal se atracou na banheira! A água não tapou nada e nem mesmo a chegada de outro brother inibiu o casal. O flagra chocou e dividiu a opinião dos alemães: para alguns, não aconteceu nada, já que Serafino está de sunga. Para outros, o sexo rolou sim, já que Steffi teria baixado a parte da frente da roupa de banho dele.

- Até mesmo em um país conservador como a República Tcheca, na segunda edição do reality show, dois garotos protagonizaram um beijo intenso, que causou ainda mais polêmica porque um dos rapazes, a princípio, resiste à pressão do colega. Depois, se entrega. No fim, sai rindo, cuspindo e limpando a boca, em tom de brincadeira.

AGORA EU PERGUNTO?
VOCÊ ACHA CERTO CRIANÇAS ASSISTIREM AO PROGRAMA?

Nenhum comentário:

Postar um comentário