Blog do Sabones - Expediente

Blog do Sabones - Expediente

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Heleno, o são-joanense que levou o samba para a Suécia

O são-joanense é produtor musical na Europa (foto: Kristina Wendel)
Entre tantos filhos da “terra garbosa” que lembramos e destacamos, um já vive por décadas fora do Brasil e faz sucesso em seu trabalho. Estou falando de Carlos Heleno da Silva, o Heleno, produtor, empresário musical e percussionista que saiu do campo para os grandes centros do planeta.  

Heleno em Estocolmo, capital Sueca
 (foto: Kristina Wendel)
Esse Heleno é da música, mas que coincidentemente tem o mesmo nome do nosso craque do futebol, Heleno de Freitas. Apesar do mesmo nome sua história e trajetória são diferentes, e é isso que vou contar.

O ponto de partida é quando aos 15 anos de idade, Heleno vai embora de São João Nepomuceno para morar com o pai no Rio de Janeiro. Começa aí a história de amor com o samba, ritmo musical que o projetou para o mundo.

Heleno, como é conhecido na família, ou melhor, na minha família, pois é meu tio, irmão de meu pai “Zé Juquinha” e filho de meus avos José Celestino da Silva (vô Juquinha) e de Dona Vicentina Luíza de Jesus (vó Tina) está por mais de 40 anos fora do Brasil.

Além de meu pai, outras duas irmãs Maria Marta e Glorinha (esta faleceu em 1986). A origem de Heleno é simples, nasceu na zona Rural de São João Nepomuceno (MG), na região que por aqui chamamos de “Vargem Grande”, próximo ao Lima Geo.
A irmã Maria Marta, a mãe Tina, o irmão Zé Juquinha e sobrinhos
Marquinhos e Marcelo (foto: Márcio Sabones/arquivo 2008)
Meus avos trabalhavam em fazenda e os filhos ajudavam com serviços de lavradores, retireiros, etc. Da vida difícil no campo, a necessidade de ir para a cidade; e assim, depois de alguns anos vivendo na Rua dos Henriques, Heleno foi morar com o pai na cidade do Rio de Janeiro em 1965. Meus avos divorciaram e meu avô foi para a capital fluminense no final dos anos 50 e minha avó continuou em São João Nepomuceno.

Nesse período, morando no subúrbio da “cidade Maravilhosa” participou de rodas de samba, desfilou com a Cacique de Ramos e Portela. Em 1973, a oportunidade de ir para os Estados Unidos junto a um amigo da época de Exército. Heleno saiu do país para buscar um futuro promissor no exterior. A entrada nas terras do “Tio Sam” e seu “Green card” veio devido a uma profissão na qual tinha grande habilidade e praticava no Brasil, ourive.
Anos 70 - chegada aos EUA

Nos Estados Unidos poucos ourives no mercado e morando na capital Washington D.C. começou a trabalhar na profissão sem ao menos falar uma frase na língua inglesa. Durante as noites passou a freqüentar um cursinho para latinos para praticar e aprender o inglês.

No período de seis meses aprendeu o idioma e sempre aos fins de semana ia para um parque da cidade com a camisa da seleção brasileira ou do Flamengo (seu time de coração) e com um pandeiro na mão fazia um show para os americanos que encantados deixavam gorjetas e aplaudiam o moreno forte, alto e cheio de ginga.

Com o passar do tempo, Heleno foi descoberto pelo maestro brasileiro Moacir Santos que morava em Los Angeles e o convite para trabalhos de percussão em diversos shows. Mudou para Los Angeles e lá outro encontro, este mudaria sua vida para sempre, a cantora sueca Eleonor.

Eleonor é uma conceituada cantora escandinava e grande intérprete. Desde o início de sua carreira sempre admirou a rica música brasileira pela sua Bossa Nova, Samba e MPB. Com isso, Eleonor também dominava a língua portuguesa no canto e no idioma para comunicar.
Em Los Angeles com a camisa do Flamengo (foto: arquivo pessoal)
O encontro dos dois marcou uma nova fase na vida de Heleno, não somente profissional, mas também pessoal. Ela foi sua primeira esposa e fez o convite em 1982 para mudar para a Europa, em sua terra natal, Suécia.
Heleno, Eleanor e Walter formaram o
 "Bananas Samba Show" em 1982 (foto: arquivo pessoal)
Um novo horizonte na vida do são-joanense que teve muitas dificuldades de adaptação, principalmente pelo rigoroso frio, mas nada que impedisse a realização do trabalho voltado para músicas brasileiras, principalmente o samba e a produção de carnavais em salões e ruas de Estocolmo e centenas de cidades européias (também um sonho de Eleanor).
Carnaval no centro antigo de Estocolmo
no Festival de Jazz do Verão (foto: arquivo pessoal)
Desta forma, com uma equipe de músicos talentosos e formados em sua maioria nas tradicionais escolas de música da Suécia, o casal lançou o “Bananas Samba Show”. No elenco, que já dura por décadas o também maestro Walter Borundi, amigo e incentivador de Heleno por todos esses anos.

Com a banda formada, os shows não pararam e os lançamentos de LP, K7, vídeos e depois CD’s foram produzidos durante os próximos anos. O grupo sempre esteve em atividade, porém com mudanças em sua formação; exceto Heleno, Eleonor e Walter que sempre permaneceram.

Capas de LP's, K7, vídeos e Cd's
Além da Europa, o Oriente Médio, Ásia e Oceania passaram a receber os trabalhos dos “Bananas Samba Show”. Com o tempo e a demanda crescente, mini-grupos começaram a se formar como por exemplo, o Trio de Janeiro, com um trabalho de Bossa Nova e de “Batucadas” com mini carnavais. Contudo, o líder do grupo passou a ser conhecido pela mídia sueca de "Banana's King", o Rei das Bananas na década de 90'.
Com a cantora Eleonor e a dançarina Mona, ex-esposas
e parceiras de trabalho (foto: arquivo pessoal)

Em 2003, o tio Heleno em telefonema convidou-me para ir à Europa fazer alguns trabalhos com ele junto ao grupo. Foi uma experiência incrível e inesquecível. Conhecer Europa e Oriente Médio com culturas tão distintas da nossa, porém ricas em suas essências, sem dúvida um dos maiores aprendizados em minha vida.

Tive o prazer de junto ao “Bananas Samba Show” participar como cantor e percussionista do show de aniversário de 60 anos da rainha Silvia em Estocolmo. Foi uma noite inesquecível para parabenizar a monarca, brasileira que casou com o Rei Carl August. Também de trabalhar no réveillon em Abu-Dabhi (capital dos Emirados Árabes), festa organizada na rede de hotéis Le Meridien com a presença de príncipes daquele país, bem como embaixadores de diversas nacionalidades.
Sabones e seu tio no Oriente Médio e Suécia (foto: arquivo pessoal)
O tio Heleno, carinhosamente chamado pelos suecos de “Kallé” continua promovendo shows, músicas e acima de tudo levando o nome do Brasil para todo o mundo com a alegria de nosso samba, o envolvente carnaval e o respeitoso time de nossa MPB. Aos 65 anos de idade que serão completados no dia 15 de dezembro, Heleno ainda fala de trabalho, de projetos futuros e quem sabe realizar um sonho de trazer para o Brasil um escritório da Brazil Entertaiment, sua produtora e conseguir fazer um show em sem país.

Última visita em SJN em 2014
Imagine uma banda de samba com um brasileiro e “gringos”, se assim posso dizer, mas que não deixam a cadência cair. Sou testemunha disso, pois toquei e cantei com russos, suecos, americanos e noruegueses. Todos no samba (risos). Difícil de acreditar né, mas quando subi no palco desconfiado e com aquele “pré-conceito” de que só brasileiro faz samba, “fiquei de queixo caído” ao ver um sueco de nome Chris “chamando a bateria” com um repinique, aquele que inicia e dá entrada de toda a percussão para a batucada.

A minha reação foi de espanto e também alegria, pois é uma honra ver tantos “gringos” apaixonados pelo nosso ritmo e executando de forma natural e agradável.

Tenho a certeza que muitos de vocês que estão lendo este texto não conheciam ou nem mesmo ouviram falar de Heleno, o meu tio. Atualmente, casado com a sueca Camilla Sender que é química e adora o Brasil. Camilla já fez intercâmbio e estudou por seis meses na Universidade Federal de Juiz de Fora (Ufjf) e já fala muito bem o português.

Heleno e atual esposa em visita ao Rio de Janeiro (foto: arquivo pessoal)
Heleno é outro filho de nossa terra que construiu sua carreira longe daqui e que divulgou e divulga diariamente nossa cultura. A você, tio Heleno, os meus parabéns e abraço.


Clique aqui e assista vídeo propaganda do Bananas Samba Show

7 comentários:

  1. Agradecimento pela homenagem

    Grande sobrinho Marcio Sabones!
    Em primeiro lugar, quero agradecer de coração , em meu nome e no da minha grande e competente equipe de trabalho do Bananas Samba Show / Brazil Entertainment Agency Ltd ® , a honrosa homenagem

    Vc tem o dom da escrita, acho que eh por ai mesmo. Vc é simplesmente MARAVILHOSO , VALEUUUUUUUU​​!!!!!
    Cordiais saudações /Kind Regards /Med vänliga hälsningar
    Heleno O empresário de shows brasileiro de Estocolmo.

    ResponderExcluir
  2. Matéria muitíssimo interessante! Parabéns, Sabones!

    ResponderExcluir
  3. Adorei, muito interessante..................................Parabéns

    ResponderExcluir
  4. Obrigado gente!
    Fico feliz por gostar do blog.

    ResponderExcluir
  5. Dear Márcio Sabones, I read your article about Heleno, very nice, you did a great work! Sucesso total! Arrasou! Parece insólito, mas é a pura verdade, que eu conheço o trabalho e a vida do Heleno. Best regardes /Camilla, Suécia

    ResponderExcluir