Blog do Sabones - Expediente

Blog do Sabones - Expediente

segunda-feira, 25 de julho de 2016

São-joanense Chiqueirinho é bicampeão asiático de Futsal



O craque da camisa 10, Marcos Vinícius, o "Chiqueirinho"levanta a taça pela segunda vez (Foto: arquivo pessoal)

O grito de bicampeão de Marcos Vinícius de Mendonça, o “Chiqueirinho” aconteceu no dia 16 do corrente, em Mianmar, país localizado no sul da Ásia e que sediou a fase final da AFF Fifa Futsal Clube, campeonato que reúne os principais times de futsal daquele continente. O jogador nascido em São João Nepomuceno, com 30 anos de idade, conseguiu o segundo título continental consecutivo atuando pelo Thaiport da Tailândia, onde já joga por duas temporadas. A final foi contra o Thai Soman do Vietnã e o placar de 4x3.


Em conversa pela internet com nossa equipe, Marcos Vinícius disse que foi difícil encarar e vencer clubes de países como Austrália, Malásia, Vietnã, Laos, Mianmar, Indonésia e China no campeonato e confirmar o melhor futsal asiático. O são-joanense também informou que tem vínculos com o clube até dezembro deste ano, mas já tem propostas de renovações. Até chegar a este patamar, Marcos Vinícius começou sua trajetória neste esporte em São João Nepomuceno, com 15 anos de idade, com o professor Bahia no Mangueira FC. “Em 2007 comecei minha carreira como profissional do futsal na AABB de Juiz de Fora, e por lá fiquei até 2009. Depois me transferi para o Praia Clube de Uberlândia, onde joguei minha primeira Liga Nacional. Em 2011 tive uma passagem pelo time de Vassouras (RJ), onde fomos vice-campeões cariocas, e no final de 2011, eu tive um convite de jogar uma copa no Kwait no Oriente Médio, mas fomos eliminados na semifinal. Foi jogando essa copa que começou minha trajetória na Tailândia, ainda em 2011 cheguei aqui, estou nesse atual clube há duas temporadas, onde fui vice-campeão duas vezes da copa do Rei, e bicampeão da AFF Fifa futsal clube”, comentou o jogador.

Perguntamos ao Marcos Vinícius quais as diferenças entre o futsal brasileiro e o asiático. “No futsal brasileiro a bola corre mais, os jogadores pensam mais, já aqui é um futsal onde os jogadores que correm mais, eles gostam muito de correria, o brasileiro já é mais cadenciado”, explicou e ainda disse da distância de sua terra natal. “Hoje vivo longe da minha família e dos meus amigos, os contatos que tenho são através 
de ligações e internet. Eu leio muitas notícias de São João e sobre o que está acontecendo na cidade. Fico triste às vezes quando leio das notícias de violência e me pergunto. - Não sei onde esses jovens estão com a cabeça? Poxa. Temos tantas coisas aí na cidade. Futebol, vôlei, tantos incentivos pra poder ser uma pessoa digna. Nossa cidade sempre foi um lugar bom de viver e construir uma família , agora estão com essas violências por aí, lamentável”, desabafou.

O filho do senhor Zé Heleno e de dona Maria deixou um recado aos pais, que são moradores da rua Rubens Sachetto, no bairro Santa Rita e também para todos os são-joanenses. “Queria agradecer desde já pela matéria, a minha família que está aí na torcida, aos meus amigos de São João, as pessoas que torcem por mim e a todos que no decorrer da trajetória do futsal e da minha vida sempre me incentivaram e me colocaram pra frente para ser uma grande pessoa e profissional. Dedico este título a todos vocês e a nossa cidade querida”.

Por Márcio Sabones
(matéria assinada por este jornalista no jornal Voz de S. João,
edição nº 5467 de 23 de julho de 2016)

Nenhum comentário:

Postar um comentário