Blog do Sabones - Expediente

Blog do Sabones - Expediente

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Fim de semana

Num bate papo com os amigos João Carlos Santana e Jorge da Silva (PROCOM), percebi a falta de opções nas noites do fim de semana em nossa cidade.

Antes farei um flashback, para refletir. Quando tinha meus 14 anos de idade e dado início às minhas experiências como “baladeiro”, as opções do fim de semana dividiam-se em barzinhos, músicas ao vivo e discotecas. Recordo como se fosse hoje: Saia de casa em direção à Praça do Coronel, encontrava com a turma do colégio e do basquete e depois sentava no rodapé do clube Democráticos para apreciar o movimento que acontecia no Bar do Cebolinha.

Tempos depois, tive o prazer de curtir o Bar do Sr Maurílio e sua potente “Junk Box”. Lembro que colocávamos as fichas para ouvir as canções de nossas preferências. Como era bom curtir uma música ao vivo no Bar e Restaurante “Lua Nua”. Acreditem se quizer, até Ana Carolina cantou por lá, mas na época não era famosa e apenas algumas pessoas teve o privilégio de curtir. Inclusive nossos músicos: Emmerson Nogueira, Roger Resende, Kiko Furtado, Ricardo Itaborahy entre outros. Até mesmo minha ida para São Paulo nesta época não atrapalhou as curtições na garbosa. Recordo que a noite ainda reservava o melhor: a discoteca.

Interprice no bairro Santa Rita, que embalou nossas noites por anos ao som de Information Society. Como eu subi a Rua do Carmo!; e que morro heim! (risos) Mas nada atrapalhava nossa diversão. Muitas paqueras e danças. Depois, veio a Boite Hibisco do nosso querido amigo Keco Pinto. Com dois ambientes e muita música boa, o reinado desta perdurou por uns 5 anos em Nepopó City. O bicho pegava lá! (risos) Pra ter uma idéia, as noites de sexta-feira eram melhores, pois, nos sábados a casa ficava tão cheia que era ruim.

A verdade é que sempre tinha uma discoteca em atividade em São João, assim como foi a era Fábrica Dance Bar, que entrou em cena apresentando uma excelente estrutura. Era futebol no telão 4x3m, festa do blackout, desfiles de moda, bandas, festa dos R$ 0,50 e etc. Meu Deus! Como era bom aquilo! Mas passou... e até hoje nenhuma conseguiu “ficar de pé”.

As últimas que tentaram a façanha foram Infector e Oppera Club – mas não conseguiram segurar os eventos com casa cheia por todos os fins de semana e fecharam suas portas. E confesso que as duas com excelente estrutura. A pergunta é: - Por que não dá? Porque ambas estariam em bairros mais isolados do centro, talvez seja isso, mas também pode ser por causa da nova geração que prefere ficar em casa na internet, ou até mesmo por falta de grana – a entrada tinha um preço salgado.

Voltando ao assunto inicial do texto, o fim de semana passado foi a gota d’agua para aquele que gosta de diversão. Imaginem ter de ir embora pra casa dormir na sexta-feira às 00:15hs, por falta de eventos na cidade. E no sábado também.

O que está acontecendo com a noite de Nepopó city? Gostaria de saber. Os barzinhos fecham cedo e quase somos expulsos (risos). É preciso rever esses conceitos, a juventude está sem opções. Eu tenho a sorte de ter vivido o que escrevi anteriormente, mas e os novatos? Como eles ficam?

Comente em nosso espaço, vamos tentar promover ações para modificar esse cenário sãojoanense. Moramos em São João Nepomuceno, conhecido como a cidade das boas festas.

Abraço.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

"Pedro Bismarck em São João nepomuceno"

No domingo, dia 20, o comediante global Pedro Bismarck apresentou o show “Bobeira Pega” na sede do Clube Trombeteiros em nossa cidade.

Fui o mestre de cerimônias e abri anunciando os patrocinadores e apoiadores do evento. Mas muita gente achou que o artista local fizesse uma participação no show – bem que seria inreressante! (risos)

Talento que dispensa comentários e de um tempo humorístico incrível, Pedro encheu a casa que acompanhou o show por mais de uma hora e meia. Entre trocas de personagens e vídeos, até chegar o momento mais esperado – quando o artista interpretou seu personagem que o lançou para o cenário nacional - Nerso da Capitinga.

Entre risos e fortes gargalhadas a platéia saboreava um humor simples e de fácil identificação. De teorias sobre exames de próstata a viagens para compra de “mutambas” no Paraguai.

A realização foi de Ecletic Produções que doou os alimentos recolhidos para a compra dos ingressos à Sociedade Pestalozzi de São João Nepomuceno.


Nota 10!

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

“Eu tenho que aceitar isso?”


Engraçado como pensamos em diversos assuntos em um dia. Hoje, por exemplo, peguei-me pensando num desses que colocam a cuca para “matutar”. Como a sociedade cria logotipos perfeitos, tais como, de que morar na Zona Sul do Rio de Janeiro é artigo de luxo. Devo concordar que viver nessa região é digno de sonho pelas belezas naturais encontradas, mas o que pesa é que morando lá é sinônimo de riqueza, glamour e superioridade. Acreditem se quizer, tem gente que passa fome mas não abre mão de viver em Copacabana, pagando um altíssimo aluguel.

Inserido na hi-society (alta sociedade) e sair nas principais colunas sociais de revistas e jornais é a cobiça dos que eu chamo de papa-flash’s. São aquelas pessoas que dão a vida para frequentar festas grandiosas, rodadas de negócios, eventos culturais, exposições, inaugurações, tapinhas nas costas e ser amigo de pessoas famosas. Tudo bem, tendo grana pra manter, não tem problema. Mas várias pessoas não tem e daí amigo leitor, “o bicho pega”.

- Ser rico é a meta. Regalias, conforto e fazer o que quer. Bom né?

- Sabe por que isso acontece? – Porque quem tá em baixo quer subir companheiro, chega de sofrer. Já faz tempo que alguém se”ferra” para os outros levarem vida boa. Dúvida? Leia:

- Europa na Idade Média: Meia dúzia de “carinhas metidos a besta” chamados de senhores feudais tinham junto a Igreja Católica o domínio de todas as terras daquele continente. Então elaborei uma fantástica pergunta: - Por que? Ahn! Sabe não.

- Gente! Quem escreveu que aquilo eram deles? E onde isso está escrito? Pelo amor de Deus! A maioria da população eram os servos, trabalhadores semi-escravos que trocavam sua mão de obra para sobreviver (Jesusss!). Isso porque não contei da tal noite das pernadinhas (risos).

- O que era a noite das pernadinhas?

- O pobre servo, trabalhador e obediente às ordens de seu Senhor Feudal (pqp = desculpa gente) apaixonou-se por uma bela moça também serva. Um namoro certinho, com muito respeito e o pedido do casamento, até aqui tudo muito bonito. Mas.... ai, ai, ai... ser pobre é fod... (desculpa de novo). Segundo uma maldita tradição, a primeira noite da noiva tinha de ser com o Senhor Feudal (pqp....não vou pedir desculpas...). Cara! Onde estava escrito esse treco? Isso é uma p... sacanagem com o servo. Por que ele tinha que aceitar isso?

- Século XVI: Continente americano. O amigo leitor já ouviu falar dos povos pré-colombianos (Incas, Maias e Astecas). São aqueles caras que estudamos no ginásio, uns índios que viveram no Peru, outros no México e coisa e tal. Ei! (risos) Você já sabe o que vou perguntar né? Cadê esses caras? Tomou doril, sumiu! Amigo...não é pra rir. Fizeram uma potente sacanagem com eles. Os espanhóis fizeram uma limpeza no continente, deu porrada em todo mundo, extermínio total (o BOPE é pinto perto deles). Não ficou “pedra sobre pedra”, aliás, só ficaram as pedras. Só faltou o Montezuma fazer um inventário no cartório passando o nome das terras de seu povo aos europeus. Por que eles tinham de aceitar isso?

- Brasil: Cara! Dá uma pausa na leitura, por favor! Toma um café antes. A desgraça começou em 1500. Uma cambada de português liderada por um tal Cabral embarcaram em Lisboa e chegaram aqui. Pense numa urucubaca bem brava! Foi o dobro do que você conseguiu pensar. Os caras me chegam, desembarcam, cheios de roupas e dão de frente com os índios peladões. Os portugas fizeram a festas com as indiazinhas. Pegação total (maior baile funk). Mudaram a religião de todo mundo, não tinha mais Deus Sol ou Lua, agora tinha que falar e escrever português – difícil pra caramba! Não aprendemos até hoje.

- Depois, trouxeram os escravos. Gente acorrentada, surrada e suja. Os caras eram arrancados de suas tribos e famílias lá da África (muito longe daqui!) e vinham pra cá sem nenhuma chance de voltar para o lar. Imaginem a alegria deles! Agora eram três raças: brancos, índios e negros. O maior projeto de missigenação da história. Ficou cafuso Mulato? É pra ficar mameluco! Pois é, misturou tudo! Complicado amigo leitor. Quer tomar outro café? Vai fundo. E por que eles tinham que aceitar isso? O país colonizado pelos brancos europeus, ouviu o grito de independência de um português (branco), para tornar num império com um imperador português (branco) se sentia liberto. Comemora a data com feriado nacional e parada cívica até hoje. Escolha a opção: rir ou chorar?

- Acabou “a escravidão” e a república começou. Mudou um pouco sim, confesso, mas ainda tem muita coisa parecida como antes. Vem comigo! Quem manda no Brasil hoje? A elite. Como é o trabalho? Assalariado e subsistência, se não trabalhar... já era! E por que aceitamos isso? Por que continuamos a votar nesses políticos corruptos e irresponsáveis? Por que somos omissos? Por que temos medo? Por que não prestamos atenção? Por que não perguntamos? Não trata de um ou dois nomes e sim uma escória agarrada nas paredes públicas de Brasília. Parlamentares que estupram nossos sentimentos, acorrentam nossas esperanças, enganam nossos sonhos e cospem desrespeitos e deboches em nossas caras. Sou uma pobre alma entre quase 200 milhões de brasileiros e espero passar este texto pra mais da metade deles e nas eleições de 2010 entrar para a história – como o primeiro povo a não aceitar mais isso.

-E agora pergunto a você? – Temos mesmo que aceitar isso?

domingo, 13 de setembro de 2009

"Final: Show de Talentos da Rádio Difusora"



No domingo, dia 13, conhecemos o grande vencedor do 1º Show de Talentos promovido pela Rádio Difusora AM – 1420 Khz. A sede dos Democráticos ficou lotada para a exibição dos doze finalistas do festival que consagrou a dupla Rodrigo e Wander vencedores da primeira edição do evento.

Foram 36 participantes de vários estilos musicais (samba, rock, sertanejo, caipira, gospel, hip hop, forró, romântico, mpb, serestas, valsas e internacionais) em três eliminatórias (dias 23/08, 30/08, 06/09), com canções de autoria própria ou já conhecidas do grande público.

O corpo de jurados desta vez não contou com Bernadete (viajando) e Anysio’s Hair (em trabalho no RJ); sendo substituídos por Álvaro do Carmo (empresário e amante da cultura) e Adiel Xavier (Professor de canto e maestro). Completando o júri os já conhecidos Luis Quirino de Freitas (cantor), Wendell Barroso (cantor) e Márcio Sabones (cantor, ator e jornalista). Anisinho compareceu no evento assim que chegou na cidade (+/-11hs da manhã) e não julgou - mas pôde curtir de perto o que de melhor rolou na grande final.

Luiz Carlos Dutra e Írio Henriques fizeram a dupla dinâmica na apresentação com o apoio de Fernando de Lélis e Ciscoto dos estúdios. Funcionários da emissora e patrocinadores que estavam presentes diziam estar emcionados pelo sucesso do programa e disponíveis para a realização da segunda edição. Confesso que estou “maravilhado” com o que presenciei nos últimos domingos.

Um evento muito bem organizado, transparente e que apoia a cultura em nosso município. “Tive medo de ser um fracasso, que ninguém pudesse entender a idéia do nosso projeto e poucas inscrições acontecessem. Arrisquei e graças a Deus o show de Talentos foi um mega sucesso e fez que a Difusora crescesse ainda mais na cidade e região. Estou muito feliz pela minha equipe ,a minha família, os jurados e os artistas que fizeram essa grande festa ser maravilhosa, disse Isaías Sporch de Freitas – diretor-presidente da Rádio Difusora”.

Várias participações aconteceram durante aquela manhã de domingo, tais como: a melodia de Paulo Gouvea, as danças do Ratinho, Tim Ranuffa (Norminha), a pequena Raquel (Caminhos da Índia) e o jovem Victor José – cover do Michael Jackson. Florestal soltou a voz num repertório sertanejo, Wendell Barroso e João Carioca formaram dupla para cantar Renato Teixeira e Sabones caprichou nas canções: “Como é grande meu amor por você / Como é grande o tesourão do Anisinho e Primavera / Primaxica”. Mas o grande ídolo da platéia do 1º Show de Talentos é o Sr Zé Heleno que protagonizou a canção: - “Matei um porco” – sucesso de críticas.

Sem dúvida, uma grande festa para um grandioso evento. Após as doze apresentações, o resultado tão esperado anunciava os seis prêmios participação especial para: Everaldo (Vê), Joni e Isac, Silvana Ribeiro, José Juliano, Edy Nascimento e José Maria Ramiro e mais tarde os outros três: Bruno Lemos e Ricardo, Grupo Nosso Jeito e Grupo Salto Alto.

A terceira colocação ficou com Jermani Welber Souza – faturando R$ 150,00 em dinheiro, a segunda para o rionovense Ronaldo de Souza (R$ 250,00 em dinheiro) e a primeira posição para a dupla sertaneja Rodrigo e Wander – recebendo R$ 500,00 em dinheiro, um violão do Emmerson Nogueira e um kit do versão acústica (camisa, CD e DVD) e um ano grátis de tratamento de beleza no salão Anysio’s Hair.

Resumo da grande final:

1 – Everaldo (Vê) - Gostava tanto de você / Tim Maia
- trocou o estilo musical (Samba para a MPB) e não foi muito feliz.
- esqueceu trechos da músicas (insegurança)

2 – Bruno Lemos e Ricardo – Amigo Apaixonado / Victor e Léo
- trouxe banda (valorizou a apresentação)
- Ricardo soltou-se mais no palco (atendeu aos jurados)
- excelente música (alegre) e a dupla evoluiu.

3 – Joni e Isac – Hip Hop / autoria própria
- excelente comunicação com o público e postura Hip Hop
- um pouco tenso no início
- voz clara e sincronizadas e excelente letra musical.

4 – Silvana Ribeiro – Confiarei em ti / Iriel – versão Com te partiró (Andrea Bocceli)
- Elegância e personalidade no palco.
- Excelente cantora.
- Escolheu uma canção difícil (tom) - desafinou em alguns períodos

5 – Grupo Nosso Jeito – A amizade (Fundo de Quintal)
- Samba redondinho
- Atenderam ao pedido dos jurados (visual)
- Excelente ritmo e vocal.

6 – José Juliano Francisco – Forró / autoria própria
- Mudou o estilo (MPB para o Forró)
- A ausência dos seus músicos prejudicou sua apresentação, teve de improvisar.

7 – Rodrigo e Wander – Zezé di Camargo e Luciano
- O tom de voz do Rodrigo é muito bom.
- Wander cuidou da 2º voz (pedidos dos jurados)
- A dupla evoluiu.
- Cuidou do visual (bem vestidos e um bunner)

8 – Jermani Welber Souza – Vem cá (autoria própria) rock
- Excelente instrumental da banda
- Boa voz (clara) e ritmo envolvente.
- Ótima postura de palco e comunicação com o público.
- Visual jovem e atendeu ao pedido dos jurados (não olhar para o chão)

9 – José Maria Ramiro (seresta)
- Excelente voz – coral da platéia
- Comunicativo e boa postura (ousou algumas dancinhas no palco)

10 – Grupo Salto Alto – O que é, o que é / Gonzaguinha (Samba)
- Visual bacana (uniformizadas)
- Excelente música (alegre) – um final muito legal (com batuques)
- A vocalista e o cavaquinho (não encontraram o mesmo tom) e pulou uma parte da música.

11 – Ronaldo de Souza – Sinônimos / Zé Ramalho e Chitãozinho e Xororó
- Excelente instrumentista
- Imitou a voz do Xororó e Zé Ramalho
- Perdeu o tom no retorno para o Xororó
- Ótima postura de palco e comunicativo

12 – Edy Nascimento – Só hoje / Jota quest
- Excelente voz
- Segurança e tranquilidade


“O Show de talentos foi a oportunidade que tivemos para mostrar nosso trabalho ao público sãojoanense e região. Tivemos de renunciar várias coisas, até mesmo aquele tempinho para namorar e tocar nos palcos dessa vida. Nossas namoradas e familiares são os que mais nos apoiam e entendem o que fazemos. Agradecemos aos jurados pelos conselhos da fase eliminatória, tentamos atender e ensaiamos muito na semana” – palvavras de Rodrigo e Wander – vencedores do 1º Show de talentos da Rádio Difusora (Set/2009).

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

"Os finalistas do Show de Talentos da Rádio Difusora"

Os 12 classificados para a grande final no dia 13/09/09.

1 – Silvana Ribeiro
2 – Bruno Lemos e Ricardo
3 – Everaldo (Vê)
4 – Joni e Isac
5 – Grupo Nosso Jeito
6 – Grupo Salto Alto
7 – Jermani Welber de Souza
8 – José Juliano Francisco
9 – José Maria Ramiro
10 – Ricardo e Wander
11 – Ronaldo de Souza Neves
12– Edy Nascimento

"Festival de Talentos - Rádio Difusora - Parte 3"

Na manhã do domingo (dia 6), aconteceu a terceira e última eliminatória do Show de Talentos da Rádio Difusora, na sede dos Democráticos, centro de São João Nepomuceno. As treze últimas apresentações fizeram com que os jurados “quebrassem a cuca” e escolhessem os quatro melhores daquela etapa.

O sertanejo reinou, presente em sete performances. Desta vez, o apresentador foi Luiz Carlos Dutra (ìrio Henriques estava com compromisso agendado) e nos estúdios, o comando foi de Amado Roberto. O diretor-presidente da emissora, Isaías Sporch de Freitas fez a abertura e anunciou a nova atração que em breve navegará nas ondas da Difusora – o reallity show - “Desafio na Colina”. Trata de um programa que mescla “No Limite” (Rede Globo) e “A Fazenda (Rede Record) devendo ir ao ar mês que vem. (Em breve prometo uma matéria sobre este assunto).

O competente corpo de jurados formador por: Luis Quirino de Freitas (cantor), Bernadete – Papagaio (empresária e amante da cultura), Anysios Estevão (cabeleireiro, coreógrafo), Wendell Barroso (cantor) e Márcio Sabones (ator, cantor e jornalista) tiveram a missão de julgar comunicação com o público, postura de palco e voz dos candidatos. Eles alfinetavam no figurino (visual) e escolhas musicais. Acompanhando os candidatos, os músicos Ricardo (violão e guitarra) e Jonas (teclado).

Bernadete entrou em cena com um traje um tanto quanto diferente (risos). Tratava-se de uma saia preta, meia calça branca e blusinha branca. Detalhe: flores costuradas por todo o figurino, segundo ela, em homenagem a primavera, estação que está por chegar. O fato é que ela ganhou o apelido de mulher samambaia da Difusora (risos2).

Das participações especiais e a farra do intervalo destacamos: Luiz Carlos promoveu um mini concurso Michael Jackson (Sabones, Wbyster e cia ltda deram uma palhinha do requebra). O locutor da casa e cantor Florestal arrasou na canja musical, usando um pout-porri sertanejo com os sucessos “Saudades da minha terra”, “Chalana”, e “Galopeira”. Sabones fez imitações de Quirino e homenageou Anysio’s Hair com a música do Tesourão do Anysinho e logo depois protagonizou um desfile com Bernadete, a platéia foi a loucura! (Risossss).

Resumo do dia 06/09:

1 – Natanael e Ítalo (Sertanejo)
A dupla perdeu o tom e ficou difícil recuperar. Estavam tensos e perderam a classificação. Mas valeu a tentativa, parabéns!

2 – Gelson José Rodrigues (Fizuca) (Gospel)
A figura que já faz participações especiais no programa do Írio Henriques cantou uma bela canção. Faltou fôlego e as vezes apelava para alguns gritos. Na postura, evitar de olhar o tempo todo para os lados. E no figurino, estava muito bem, mas pecou no uso do boné. Valeu Fizuca! Parabéns!

3 - João Pires e Bidoco (Sertanejo – Caipira)
Com uma boa comunicação com o público a dupla mostrou um belo trabalho. Bem vestidos e organizados, pois entregaram aos jurados a letra de sua canção numa folha. Foram muito bem em todos os pré-requisitos, na soma geral dos pontos não atingiram a classificação. Foi muito bom, pena que não deu. Parabéns!

4 – José Luzia e Valdivino (Parceiro e Parceirinho) (Sertanejo – caipira)
Os músicos da cidade de Argirita fizeram uma belíssima apresentação, comunicativos, bons instrumentistas e com aquela voz certinha para o tradicional caipira. Na soma dos pontos não atingiram a classificação. Sertanejo raíz, muito bonito, infelizmente não deu. Parabéns!

5 – Milena Moreira Alves (Sertanejo)
A linda garota de 11 anos, encantou a todos com sua voz doce e beleza natural. Tem um ótimo ritmo e um visual bem bacana. Mas precisa cuidar um pouco de sua entonação de voz (gritos), para não prejudicar sua futura carreira. Não deu dessa vez Milena, mas parabéns pela apresentação, linda!!!

6 – Joaquim José Dias (Farinheiro) Ritmo: ?
Uma tremenda figura no palco. Simplicidade e simpatia. Infelizmente não compreendemos o que queria cantar, a voz não era nítida. Mas sua comunicação com o público é nota 10. Parabéns pela ousadia Sr Joaquim e até a próxima. (risos)

7 – Rodrigo e Wander (Sertanejo)
Rodrigo possuí uma belíssima voz e a dupla mostrou-se bem a vontade no palco. Numa apresentação envolvente, classificaram em segundo lugar. Dicas: Rodrigo – usar mais o jogo de pernas. Wander – caprichar na segunda voz. Nos vemos na grande final domingo que vem. Parabéns e Boa Sorte!

8 – Wbyster Junior Paiva Lopes (Chimarruts – POP)
O simpático Wbyster fez ótima apresentação usando uma linda canção do Chimarrut’s. O menino de voz afinada e de boa expressão corporal foi acompanhado por centenas de pessoas no Democráticos com encantamento, mas na soma dos pontos, não atingiu a classificação. Mocinho, use mais o palco (espaço). Parabéns e até uma próxima.

9 – Márcio Ribeiro de Mendonça (Marreco) (romântico)
Com muita tranquilidade, o artista mostrou sua voz melodiosa e grave. Segundo os jurados, precisou mostrar o potencial de sua voz, coisa que não aconteceu. Entende-se da dificuldade, pois, estava sem retorno no palco e isso sem dúvida prejudicou. Fica para a próxima amigão. Parabéns!

10 – José Maria Ramiro (Seresta)
Foi o primeiro colocado no dia. Excelente voz, comunicação, postura e instrumentistas. Passou muita emoção e relembrou os aúreos tempos do “Trio Ramiro”, colocando a turma pra dançar na platéia. Nos vemos na final. Parabéns e Boa Sorte!

11 – Renato Antunes Lima (Sertanejo)
O jovem de apenas 16 anos da cidade de Descoberto mostrou muita personalidade no palco, com olhar firme e confiante. Excelente instrumentista e de voz melodiosa encantou a todos, mas na soma dos pontos ficou no quase. Valeu garoto! Parabéns!

12 – Edy Nascimento (MPB)
O simpático Edy conquistou a quarta vaga para as finais. Apresentou-se muito bem, comunicativo e dono de uma voz suave e afinada. Arriscou uma proesa com a melodia (aumentar algumas escalas em certos trechos da música) e se deu bem. Foi indicado em usar uma percussão para acompanhá-lo, valorizando ainda mais sua apresentação. Parabéns e Boa Sorte na final!

13 – Ronaldo de Souza Neves (Sertanejo)
A terceira vaga ficou com esse jovem talento da cidade de Rio Novo. Com uma presença de palco incrível e um belo sorriso estampado no rosto, chamou a atenção pra valer. Uma ótima voz e de uma postura positiva (apesar de estar sentado), movimentava-se muito com o violão passando muita alegria e prazer de cantar. Forte candidato para as finais. Parabéns e Boa Sorte!