Dois adolescentes, um de 14 anos e outro de 12, invadiram a Escola Municipal Ipiranga de Juiz de Fora na última quinta feira (05) e promoveram um cenário de destruição e desrespeito à instituição de ensino que ambos já estudaram.
 
 
 
Os ex alunos quebraram portas usando um extintor de incêndio, rasgaram livros, papéis e quebraram diversos materiais escolares, carteiras e brinquedos. O prejuízo é grande, mesmo porque a direção conta com a ajuda dos pais para doações de materiais para o ensino. A escola teve de cancelar às aulas de segunda e terça feira para a arrumação e faxina do local. Apenas nesta quarta feira (11) os mais de 400 alunos deverão voltar normalmente às salas, ou o que restou delas. 
 
Já no fim de semana, um confronto entre adolescentes, moradores dos bairros Valadares e Igrejinha aconteceu dentro do ônibus da linha 741 que acabou depredado pelos meninos. Pedras, barra de ferro, garrafas de cervejas quebradas e muitas marcas de sangue foram encontrado no veículo que teve sua lataria amassada e todos os vidros das janelas quebrados.
 
Não bastasse a quantidade de adolescentes na faixa etária de 15 a 17 anos que participam do crime organizado e tráfico de drogas na cidade, e que são presos pela Polícia Militar e depois soltos ou enviados para juizados e o "Cerespinho". Segundo informações do Capitão Yamagushi da Polícia Militar de Minas Gerais, cerca de 60% das operações que a PM registra tem esses meninos e meninas envolvidos.
 
"O vandalismo em Juiz de Fora está numa crescente. Basta olhar para os muros pichados, orelhões quebrados, calçadas e bancos de praças depredados por esses "menores" que usam a idade para aprontar, sabendo que nada pode lhes acontecer", palavras de Major Eder, Chefe da Defesa Civil de Juiz de Fora.
 
Isso pode ser culpa desses "tempos modernos" com os pais isolados de seus filhos. Casamentos aniquilados por traições e brigas, mães solteiras, prática irresponsável de sexo e gravidez indesejadas. O fato é que educação vem de casa e cada vez mais os filhos ficam longe dela. A rua, os "amiguinhos" e o excesso de liberdade faz com que cada vez mais os jovens e crianças sintam à vontade para aprontar. Cuidado! A placa vermelha anuncia o perigo!