Blog do Sabones - Expediente

Blog do Sabones - Expediente

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

"BELEZA NEGRA"


No último sábado, dia 21, a partir das 22hs, presenciamos o: 3º Beleza Negra, edição de 2009 - na quadra da ESACA.

Ao chegar pude apreciar uma belíssima decoração (passarela) pelo competente Américo Guazzi. A organização do evento foi da bela e jovem mulata, Iara Fonseca, também participante de nossos carnavais a frente das baterias da Esplendor do Morro e ESACA. Lembrando que no dia 20 tivemos o dia da Consciência Negra – brindado pelos modelos.

A apresentação foi de Everson Rezende e Iamara Fonseca, de forma brilhante e com muita elegância conduziram o desfile, identificando e saudando os modelos. Uma inovação foi a participação de crianças (4 a 12 anos de idade) na abertura. Com muito charme e delicadeza a “mulecada” arrasou no evento. Foram mãozinhas na cintura, piscadinhas de olhos e sorrisinhos...(risos)...muito bonitinhossss!

Vinte e uma moças e dezesseis rapazes competiram o cobiçado título daquela noite, e digo que foi difícil chegar num resultado, pois tratava de belíssimos participantes. O corpo de jurados foi composto pelos vereadores Dr Carlos Alberto dos Santos e Francisco Baptista de Oliveira, também a cabelereira Raquel Oliveira, o jornalista e ator Márcio Sabones, a modelo Ana Carolina (2º colocada na edição de 2008), e as brilhantes Wanda Machado e Maria Nassif.

O primeiro momento do desfile, os participantes em casais, apresentaram-se com roupas da noite (festa), além da beleza e o bom gosto na arte de vestir. O primeiro contato com a platéia - que lotou a quadra da verde rosa - foi empolgante. Aplausos, gritos e muita torcida para cada um deles. Na segunda parte, um desfile individual e traje de verão. Meninos com bermudas e sandálias e moças de saias e mini blusa.

Foi julgado: Desfile, Beleza e Simpatia. As notas de 5 a 10 pts e na soma total dos votos, o resultado, que foi dado às 2:30hs da madrugada. Antes de conhecer os vencedores, o DJ Ramon “botou pra quebrar” num estilo eclético – agradando a todos. Outra participação que chamou a atenção foi: “Os abusados”. O trio mexeu o esqueleto no palco e demonstrou que tem a “cinturinha de mola”(rsrsrs). A galera gostou e aplaudiu pra valer a performance dos garotos.

O prêmio simpatia foi escolhido pelos próprios participantes. As 21 moças elegeram Mateus Cândido e os 16 rapazes a linda Daiana Oliveira. O resultado final foi:


1º lugar: Renata Germano e Mateus Cândido

2º lugar: Daiana Oliveira e Jonatan Costa

3º lugar: Stephanie Costa e Milton Ladislau

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

A música e uma introdução histórica


Você já percebeu que não existe uma viva alma nesse planeta que não goste de música. A pessoa pode não gostar desse estilo ou aquele, mas sem dúvidas alguma coisa ela escuta.

Nosso texto vem falar da música, essa arte tão genial que o homem descobriu muito cedo e que é impraticável admitir sua ausência em nossas vidas. Estilos são diversos, varia de acordo com cada cultura.

No Brasil, por exemplo, país do futebol, mulher bonita e samba...ops...samba? Confesso que não tenho escutado muito samba na TV, no rádio e nos locais que freqüento. Poderíamos dizer país do funk, sertanejo, axé, forró...sei lá mais o que.

Até que sou uma pessoa eclética para os ritmos, mas tenho minhas preferências musicais. Passeando pelo tempo, na década de 50, quando Elvis Presley aparecia como um furacão nos Estados Unidos, o Rio de Janeiro assistia o nascimento da Bossa Nova e a conquista da nossa primeira Copa do Mundo na Suécia. Seresteiros como Nelson Gonçalves conquistavam corações nesse país e o nordestino Luis Gonzaga mostrava a verdade do sertão nordestino em seu baião.

Nos anos 60’, os meninos de Liverpool, “The Beatles”, surgiam no cenário fonográfico como a grande sensação do momento. Paul, Ringo, Lennon e George era a marca perfeita para vender e ganhar dinheiro. Em 1964, o Brasil abria a primeira página de um novo Estado (Ditadura Militar)... Muito se proibiu por aqui e muito apareceu também.

Coincidência ou não, a maior rede de televisão do país foi inaugurada por Roberto Marinho em 1965, e até hoje a Globo é indicada como defensora do regime militar e aliada aos mandos do governo atual. Tem aqueles que reclamam a emissora por ter um padrão menos crítico.

O cenário musical de nosso país apresentava três linhas:

Intelectual (Bossa Nova) – ouvida pela classe A, com canções que não comprometiam o regime. Músicas como Garota de Ipanema e Wave de Tom Jobim exaltavam o amor e a beleza da mulher carioca num cenário de plena maravilha. (O mundo maravilhoso e sonhador)

Popular (Jovem Guarda) – ouvida por todas as classes e sem comprometer o poder militar. Roberto e Erasmo Carlos, Vanúsia, Wanderléia, os Vips e outros promoviam programas televisivos que alienavam os jovens do país. O medo do regime era a juventude, e a Jovem Guarda tinha a missão de desviar suas atenções para a Festa de Arromba, o Cadilac e outras músicas. O estilo Beatles foi usado com os Fevers, Golden Boys e etc.

Protesto
: (Contra Cultura/Tropicália) – ouvida pelas classes estudantis e esquerdistas do país. Caetano, Gil, Chico Buarque, Geraldo Vandré e outros simbolizavam em sua música ácida o sentimento de resistência a Ditadura. Com a canção “Pra não dizer que falei das flores”, o cantor e compositor, Geraldo Vandré, desapareceu de cena (comenta-se ser queima de arquivo). A peça teatral “Roda viva” de Chico Buarque foi interrompida no Rio, com a entrada dos soldados do Exército no teatro e a prisão de todos. Muitos foram aqueles que deixaram o país para defender suas vidas.

Pra falar de música nesse país é obrigatório fazer esse comparativo da década de 60. Na seqüência, no final dessa década e início dos anos 70’ - o mundo assistia a guerra do Vietnã e todos pediam paz mundial. Com o fim da banda “The Beatles”, o cantor John Lennon tornou-se hippie (uma nova opção de vida que tem seu ápice na década de 70 após Woodstock-69). Com canções de paz e muitas mensagens, o Brasil não ficava para traz, pois apresentou um grande número de hippies também. Um novo grupo musical surge no início da década: “Secos e Molhados”. Na frente, a performance de Ney Matogrosso e sua turma num visual tanto quanto diferente. Cantavam “Rosa de Hiroshima, Fala, Sangue Latino” e demais canções de um único disco.

Por outro lado, abriam-se as portas para o brega. Odair José, Amado Batista e outros. O pensamento é: quando se fala de amor e traição, ninguém pensa na política e situação financeira, que começava a se agravar com a tal dívida externa. Nos EUA, a discoteca (Bee Gees, Kool and the Gang…) agitavam pra valer, como demostrado no filme Night Fever’s que revelou John Travolta no cinema. O Regime começava a perder as forças, e o país credibilidade devida suas contas atrasadas - começava o movimento das diretas e o retorno dos filhos dessa terra, que por anos ficaram longe. Surge um novo movimento musical nas Minas Gerais, o “Clube da Esquina” (Milton Nascimento, Lô Borges, Beto Guedes...) e o nordeste apresentava Alceu Valença, Zé Ramalho, Elba Ramalho, Fagner, Geraldo Azevedo entre outros grandes talentos. As rádios FM’s chegam no final da década, novidade e oportunidade de mostrar os trabalhos, pois tem um viés voltado a musicalidade, diferente das AM’s um viés narrativo. Conhecemos o som do Pink Floyd, Iron Maiden, Scorpions, James Brown e outros.

No foco, Ivan Lins, Caetano, Gil, Chico Buarque e jornalistas como Henfil – tornaram-se símbolos obrigatórios em discursos nas praças públicas e manifestos - contra a ditadura. Os militares não esboçavam mais aquela censura e os anos 80’ começa como uma nova fase para a cultura brasileira. Em Brasília, três bandas: Legião Urbana, Capital Inicial e Plebe Rude – canções que mexiam com o povo (Que país é esse?/ Música Urbana / Até quando esperar?). Em São Paulo: Titãs (Bichos escrotos) e Ira (Dias de Luta), Rio: Barão Vermelho e Cazuza: (Burguesia, Ideologia) e RPM (Revoluções por Minuto), em Porto Alegre: Engenheiros do Hawai (Exército de um homem só). Enquanto isso, Michael Jackson arrasava nos EUA em 1983 com o álbum Thriller, além de Madonna, Cindy Lauper, Queen, A-HA, Dire Straits e muito mais. Todo mundo corria nas lojas para comprar o seu vinil e o k7, o Rock Nacional entra em cena e domina as rádios FM’s. O “Rei” Roberto Carlos começa uma fase romântica em sua carreira.

Em 1989, Fernando Collor é o primeiro presidente eleito pelo voto direto após a Ditadura. A tendência musical é o sertanejo (Chitãozinho & Xororó, João Mineiro e Marciano, Leandro e Leonardo, Zezé di Camargo e Luciano). Várias bandas do rock nacional desaparecem (Ex: Capital Inicial, Ira, Ultraje a rigor...). Outro ritmo que domina as rádios e festas é o axé baiano (Daniela Mercury, Chiclete com Banana, Banda Mel, Netinho e troop). O canal de TV MTV chega ao país, com programas musicais que exibem clipes e tendências da música internacional e nacional. Os anos 90’ apresentaram a verdadeira “mistureba” musical, valia tudo, até as marmotas de Falcão (Ai, minha mãe!) e a Florentina do Tiririca que descolaram por várias vezes o primeiro lugar nas emissoras de rádio do Brasil.

Ia esquecendo, o surgimento dos CD’s modificou todo o mercado fonográfico. Torna-se mais prático e barato gravar um disco e de outro lado caem as vendas, a pirataria entra em ação.

A tecnologia em alta, os estilos musicais vão se modificando até o surgimento dos Dances, Trances, Rap e etc. As discotecas ficam lotadas com os fãs de Double You, Shakira, Backstreet Boys, DJ Bobo e etc. Anos 90’, rolou de tudo... no pop rock surge o Skank, Cidade Negra, Jota Quest, Rappa, Pato Fú e Los Hermanos. De outro lado, Claudinho & Buchecha e o Furacão 2000 davam um ponta pé glamuroso para o crescimento e aceitação do funk no país. Na capital paulista, o rap dos racionais MC’s movimentaram as comunidades e o pagode de Exaltasamba, Negritude Jr, Art Popular entre outros traziam uma nova sensação romântica no estilo musical. Nessa década tivemos o início da bundalização da música; Ex: Grupo É o tchan! Carla Peres e Scheila Carvalho formavam o fetiche sexual mais apreciado pelos homens; com short’s curtinhos e um corpão pra deixar até presidente da República babando, as gatas esfregavam o “popozão” nas telinhas da TV e era só alegria, duvido se alguém notava na letra musical...(risosss).

Atualmente, falar de música exige um conceito e conhecimento geral, são diversos os estilos. Ouso em perguntar ao amigo leitor em qual fase musical vivemos? Imagine que até flashbacks rolam em grandes festas, como exemplo, a Ploc – que baseia nos sons infantis dos anos 80 (Xuxa, Paquitas, Trem da alegria e etc) e bandas retornam ao cenário regravando sucessos antigos em versões acústicas (MTV e Sony Music). No ramo do samba...ah! você se lembra quando eu disse Brasil – país do samba?; então... honrando as tradições do ritmo: Zeca Pagodinho e deixa a vida me levar. Devemos tirar o chapéu para o furacão Ivete Sangalo no axé, que levanta a poeira com a galera. O Rio apresenta a suave voz de Vanessa da Matta, ai, ai, ai, ai, ai, ai... No Pará, conhecemos o som da Banda Calypso, um ritmo frenético e muito apreciado pela moçada em 2005, chegaram a ganhar prêmios.

As festas mais cobiçadas pela moçada hoje são os bailes funk e raves. A última ser citada tem um cardápio longo, com duração que passa de 24 horas. Trata de um som eletrônico, muito barulho e batidas eletrizantes. Os israelenses dominam o mercado com os melhores DJ’s. O que não é bacana nesses eventos é o uso irresponsável de drogas (ecstasy – balinhas). Acompanhando os jornais, presenciamos vários problemas nessas manifestações (overdoses, incômodo com vizinhos e etc). Falando em festa, e o carnaval? Atenção para as músicas mais tocadas: os funk’s - Créu, vai Lacraia, Eguinha Pocotó, Bonde do Tigrão...nussss...antes tínhamos os sambas de enredo do Rio, que segundo os mais entendidos não fazem mais sambas como antigamente.

Ser músico hoje é o sonho de várias pessoas, existem programas na TV que caçam esses talentos como: FAMA, Ídolos, Garagem do Faustão e etc. Mas a concorrência é grande, porque em meio a vários estilos é até difícil saber o que o povo quer.

Daí pergunta a você querido(a) leitor(a): - Imaginem daqui 10 anos, o qeu vai rolar? Só vivendo pra saber...
Abraços

sábado, 14 de novembro de 2009

"PARTICIPAR DE UM REALLITY SHOW"

Não fui um dos participantes do reallity show da Rádio Difusora”Desafio na Colina” que aconteceu no último mês de outubro em Nepopó City, mas fui convidado e aceitei ser o apresentador/âncora. De início, confesso que fiquei inseguro sobre o evento, pois tratava de um perfil inédito deste tipo de programa.

Conhecemos os formatos da Rede Globo, Rede Record e SBT que respectivamente apresentaram na TV o BBB / No Limite, A fazenda e a Casa dos Artistas. Trata de algumas pessoas selecionadas pela produção - ficando confinadas em um determinado espaço e tempo.

A frente desta rádio, o casal Isaias Sporch de Freitas e Dulcinéia, os corajosos de cometer essa loucura, dito por todos - e mais maluca ainda a diretora do evento, a filha mais nova do casal, Gabrielle Detoni de Freitas. Pra completar essa doideira, nada mais, nada menos do que eu (risos), Sr Márcio Sabones e Luis Carlos Dutra (dois lunáticos..rsrs). No primeiro parágrafo citei minha insegurança, mas... a curiosidade e oportunidade de participar de algo inusitado fez com que eu aceitasse subir nessa “canoa que não estava furada”.

Durante os 23 dias de confinamento, na posição de produção, as coisas eram mais fáceis. Tinha acesso a TV, internet, rádio, almoço, janta, café da manhã e da tarde, cervejinha nas horas vagas, contato com o mundo e aos fins de semana minha mãe e minha filha Mylena fizeram visitas juntamente com minha tia Marta e prima Bebel, excelente renovador de energias, porque as saudades são grandes.

A cada dia um novo aprendizado, não se tratava somente de apresentar um programa de rádio, mas uma liçao de vida. Quando a produção da Difusora escolheu os 16 participantes do desafio, ela reduziu a sociedade nessas pessoas. Ali, representavam os artistas, donas de casa, servidores públicos, pais, mães, filhos, avós, netos, ou seja...tudo.

Eles tinham de racionar comida (: arroz, macarrão, batata, mandioca...meu Deus!...e peixe – a pesca era permitida) , água, produtos de limpeza(sabão) e higiene (sabontete, pasta de dentes, shampoo e desodorante). Mais do que nunca, o difícil era aceitar a decisão da maioria (encurralamento , votação e eliminação) e correr riscos por todos os instantes (provas, casinha da verdade e comentários no ar).

Aprendi que não adianta querer ser o mais forte ou o mais inteligente, é necessário ser equilibrado, tranquilo e saber decidir e liderar. O jogo da Colina que pode ser passado para o jogo da vida é uma escola que nem todos tiram diplomas, mas que com certeza sentem na pele uma decisão errada e equivocada.

Pode não parecer, mas somos assistidos a todo instante, seja pela família, os amigos, desconhecidos e até mesmo por si próprio. Quem nunca fez algo e depois pensou: - Isso foi errado! Acontece, mas na Colina, quando isso acontecia era fatal – era arrumar as malinhas e voltar pra casa. Até a grande final do dia 31 de outubro de 2009, “esbarramos” em pessoas carinhosas, carentes, agitadas, calmas, inteligentes, tolas, narcisistas, humildes, tímidos, comunicativas, líderes, manipuladoras, jogadoras, perdidas, brincalhonas, românticas e até mesmo emotivas. O mais importante foi a mudança de comportamento positivo para todos.

Lá dentro, encontrei com alguém comum: o sonhador. “O homem que pára de sonhar, pára de viver.” Acredito que todo o tempo em que passamos por lá, foi um momento para reflexão da vida, voltar a primeira página do livro de nossa existência e reler. Eu, particularmente li capítulos felizes e tristes, comecei a observar que as vezes em nossas vidas devemos parar por um instante e rever nossos conceitos.

Observei o quanto eu precisava ir à Colina, não pelo dinheiro e sim colocar em ordem algumas coisas que o trabalho, o estudo não permitem que façamos - nem mesmo a hora do almoço, porque é o momento de comer e tirar aquele cochilo de meia hora.

Aprendi que todos os dias podemos estar num encurralamento, mas o que puder fazer para evitá-lo...(risosss)...com certeza farei.

A você amigo leitor, obrigado por nos acompanhar e dar a oportunidade de um papo tão gostoso nesse espaço.

Bom dia!

Márcio Sabones – 14/11/09

terça-feira, 3 de novembro de 2009

"LUIZÃO É O GRANDE VENCEDOR DO DESAFIO NA COLINA"

O sãojoanense Luizão, ex membro da equipe laranja é o grande vencedor do Desafio na Colina - o programa de rádio da Difusora AM que teve início no dia 9 de outubro e chegou ao seu final no 31 último.

O rapaz teve 47,3% dos votos, vencendo as rochedenses Rosanea com 26,6 e Paola com 26,1%. Com a vitória faturou quase R$ 4.500,00 em prêmios, a segunda colocada R$ 500,00 e a terceira R$ 300,00.

O "Deus da raça", apelido dado por mim, ganhou o coração da maioria dos ouvintes com sua garra, simplicidade, sinceridade e emoção.Parabéns ao Luizão e a todos os participantes do programa, não se esquecendo da produção, seguranças, cozinheiras, enfermeiras, motoristas, site, ao pessoal do bar e familiares.

A equipe do Programa:

Direção: Gabrielle de Freitas
Apresentador (Âncora): Márcio Sabones
Co-apresentador: Luis Carlos Dutra
Diretor-presidente emissora: Isaias Sporch de Freitas
Vice-diretora: Dulcinéia Detoni de Freitas
Apoio: Felipe
Seguranças: Jorjão, Celinho, Marcelo, Dair.
Enfermeiras: Karina (diurno) e Irlene (noturno)
Site: SJONLINE (Salette Garcia e Fernando Motta)
Técnico Informática: Einstein Mitraut
Bar: Edinho e João
Cozinheiras: Dos Anjos e Graça