Blog do Sabones - Expediente

Blog do Sabones - Expediente

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Bloco do Barril e Carnaval de São João Nepomuceno


Comentário sobre o Bloco do Barril – São João Nepomuceno MG


A primeira vez que desfilei no Barril foi em 1985, tinha apenas 7 anos. Inicialmente, sempre mascarado, pois até então não concordava com ideia de vestir de mulher (risos). Naquela época, o Barril já era um grande atrativo de nosso carnaval, não o principal, mais um dos mais importantes. Tínhamos também a presença das Escolas de Samba (elas eram a atração principal) junto a outros blocos como Girafa, São José, Centenário, Garoa, São Cristovão entre outros. Os bailes de carnaval nos Trombeteiros, Democráticos e Operário levavam os jovens e adultos para tremendas viradas de noite.

Sempre gostei de carnaval, aliás, minha família toda. Meu pai, o Sr José da Silva, mais conhecido como Zé Juquinha foi presidente da ESACA (Escola de Samba Avenida Carlos Alves) em 1987,1988 e 1989. Com tempo, criei a coragem de travesti para o bloco, (risos), isso com 15 anos de idade. E desde então nunca mais perdi essa mania. Fui eleito Rainha em 2005 e fiquei responsável pelo desfile de 2006. É um peso e tanto, como diz o meu amigo Geraldo Rabello, que também já foi Rainha (1995): "Rainha por um dia e escrava por um ano" rsrsrsrs...

Sobre o Barril:

Em conversa com amigos gosto de dividir algumas fases desse grande bloco:


1º fase: 1973 até 1984: de sua fundação até a entrada de Kassinho como Rainha.
No início, era apenas uma brincadeira de amigos, coisa de 30 pessoas e chega ao início dos anos '80 com mais de 1000 foliões. Até 1981o título era Rainha Garbosa e somente depois Rainha do Barril. Tinha uma proporção menor de pessoas e por isso uma identidade tipicamente sãojoanense. As músicas ficavam por conta de sambas enredos (RJ) e marchinhas.

2º fase: 1985 até 1991: O Barril conhece uma Rainha histórica, Kassinho. Ele inovou o Barril em vários aspectos. A obrigatoriedade das Rainhas usarem tamancos plataformas, carro alegórico para a atual Rainha e perucas diversas, cores, vestidos caricatos e etc. A brincadeira começa a tornar o grande atrativo de nosso carnaval, prendia a atenção da cidade para deslumbrar as beldades que desfilavam pelas ruas do centro da cidade. Kassinho trouxe o luxo e a criatividade, mas nada que "arrancasse" a identidade do bloco. Mais tarde, Tonho Machadinho foi a primeira Rainha a desfilar com um carro de som (espécie do que seria hoje o Trio Elétrico). Milhares de homens e mulheres usando figurinos contrários. O nosso carnaval ainda reinava a base sãojoanense, pois os turistas em sua maioria, eram de parentes que viviam em outras localidades.

3º fase: 1992 até 2000: Não podemos deixar de citar que temos o início de um novo estilo de se fazer carnaval em São João Nepomuceno. O carnaval de rua. Um dos primeiros a utilizar desse recurso no estado. O estilo baiano de comemorar a grande festa de momo, trouxe o axé como o ritmo oficial do carnaval. Um novo conceito para aquela cidade que projetava nas suas Escolas de Samba o “jeitão” Rio de Janeiro tão próximo daqui, mas que se orgulhava de tocar marchinhas e os hinos dos nossos clubes em longos bailes. Existiu, é lógico, resistência, mas nada que impedisse o novo estilo adotado, que mais tarde terminara com os bailes de clube. Começou daí uma atração turística de todas as partes do país, não necessariamente de parentes, como vinha acontecendo há anos. Nossa cidade começa a receber um número de turistas acima do esperado. O barril que já trazia um ibope positivo é abraçado por esses novos foliões de nossa cidade. Temos então, dois pontos de vista:

- Positivo: a cada ano, o bloco começa a "bater recordes" no que diz respeito ao número de foliões. Isso causa uma maior divulgação do carnaval e o comércio local tem uma grande oportunidade de faturamento. Pessoas que por ventura passam seus carnavais em cidades vizinhas a Garbosa, em especial apreciam a nossa festa na segunda-feira. Nepopó City fica super lotada por conta disso. Por esse motivo, o nome São João Nepomuceno é confundido ao carnaval.

- Negativo: Identidade sãojoanense. Cadê? Eis o problema. A ideia central do Barril é travesti de mulher. Trazer para o carnaval sua criatividade e de preferência, glamour! O nosso carnaval recebe muitos turistas, até que demais (risos). Quero deixar claro que todos são bem vindos, mas o que não pode é perder o nosso jeitinho de fazer carnaval e não admitir tantos “xixi’s” nas ruas. Por favor!

4º fase: 2001 até os dias atuais: Em cena o funk carioca. Esse ritmo envolvente que nasce nos morros do rio de Janeiro, disputa música a música o espaço sonoro de nosso carnaval com o axé. Aqueles resistentes agora pedem o axé, ao invés do funk...rsrsrs... Loucura né! Pois é carnaval! A turma do Bonde do Tigrão começou a invadir a praia dos foliões e “martela, o martelão!” Depois foi a Eguinha Pocotó,Vai Lacraia, Creu entre outros vários vencedores do Gramy Awards (prêmio máximo da música, uma espécie de Oscar)...rsrsrs... Uma nova era de sonorização começa: O som automotivo. Devido a potentes caixas de som que hoje em dia podem ser instaladas nos carros e diga-se de passagem, alguns são melhores e mais potentes que muitos trios elétricos, o bicho pega,literalmente. O Barril não diferente acompanha tudo isso e o funk também é tocado no seu trio elétrico, além dos carros que ficam estacionados na concentração distraindo muitos foliões que chegam a perder a saída do bloco. Atualmente, torna-se polêmico a permissão desse ritmo em nosso carnaval, devido a desconfiguração e problemas (brigas) em anos anteriores. Em 2010, a Câmara dos Vereadores aprovaram lei para a proibição das músicas do funk e também sons automotivos. A Prefeitura além de gastar uma boa grana de apoio à festa tem de contratar vários banheiros químicos pela demanda dos “xixi’s”.

As Rainhas atuais tem de se preocupar com Abadás, tem que ter, pois é a única maneira viável para a participação de casais e até mesmo crianças, sem correr algum risco de pisoteio e briguinhas. Eu não abomino o bloco, simplesmente faço um comparativo com tempos atrás, mas sabemos que o planeta gira e com ele todos nós, nada se perde, tudo se transforma, o Barril está em transformação, a cada ano moldando para receber mais pessoas e novidades. As ex rainhas do bloco, analisando esses termos abriram uma Associação do Bloco do Barril em 2007 e com ela, discutir prováveis mudanças.

Eu digo que o Barril engordou. Assim como eu. Fui atleta, esbelto e com o passar do tempo deixei de jogar e foi difícil segurar a “barriguinha”. O Barril engorda cada vez mais e fica difícil não receber os turistas. O que tentamos aqui em São João é conscientizar a importância de participar do "Arrasta multidões", formando grupos masculinos, femininos e mistos para o desfile, todos fantasiados, claro!

A Rainha reina, salve a Rainha.

2010 - Eleições Morninhas

Como se fosse um papo de fofoqueiras, o assunto da coluna é política. Falar de quem é melhor ou pior no cenário atual, fica difícil e estamos somente 6 dias das urnas. Por que tantos desânimos? Falta de opção? Será?



Desanimados e desinteressados, os eleitores refletem às campanhas dos candidatos à presidência da república. A primeira colocada Dilma Roussef (PT), mostra-se insegura quando o assunto é “ao vivo”, por exemplo nos debates. O tucano José Serra (PSDB), segundo lugar das pesquisas, faz campanhas apelativas, usando sensacionalismo contra a primeira colocada e cai em contradição ao falar mal de projetos que foram iniciados ou apoiados pelo partido nos últimos anos. Já a candidata Marina Silva (PV), terceira colocada na intenção de voto, faz uso de discursos repetitivos e não mostra soluções concretas para os diversos problemas encontrados no país.

“QUEM CONTA UM CONTO, GANHA UM PONTO”



No debate apresentado ontem (dia 26), Dilma não afirma ser favorita e Serra acredita que vai disputar segundo turno com a candidata do governo. Estas afirmações podem ser explicadas pelos últimos números das pesquisas a corrida da presidência.

A candidata à presidência pelo PT, Dilma Rousseff, continua na liderança pela corrida eleitoral, com 50% das intenções de voto, mas diminuiu sua diferença com relação aos demais candidatos, segundo pesquisa Ibope, divulgada nesta sexta-feira (24) no Jornal Nacional. De acordo com o levantamento, a vantagem, que era de 14 pontos percentuais, caiu para 9. A candidata petista oscilou um ponto percentual dentro da margem de erro em relação à última pesquisa Ibope, na qual tinha 51%.

O candidato tucano José Serra, adversário direto de Dilma, subiu 3 pontos percentuais e aparece com 28% da preferência do eleitorado. Em terceiro lugar, vem Marina Silva (PV) com 12%. A candidata verde oscilou um ponto dentro da margem de erro. Os outros candidatos somaram 1% dos votos. Brancos e nulos somam 5%, e 5% dos eleitores não sabem ou não quiseram responder. A margem de erro é de 2 pontos para mais ou para menos.

Num possível cenário de segundo turno entre os candidatos Dilma e Serra, a petista também venceria com 54% e Serra alcançaria 32% da preferência do eleitorado. Brancos e nulos no segundo turno somam 7% e indecisos, 7%.
A pesquisa foi registrada junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 31689/2010. O levantamento foi realizado entre os dias 21 e 23 de setembro. O Ibope ouviu 3.010 eleitores em 202 municípios.

O NORDESTE FARÁ DIFERENÇA E PODE ELEGER DILMA NO 1º TURNO


A análise da divisão regional do voto nas eleições presidenciais aponta que a possibilidade de Dilma Rousseff (PT) se eleger no primeiro turno se sustenta por conta da vantagem que a candidata do presidente Lula desfruta no Nordeste.

No Sudeste e Sul, a soma das intenções de voto de José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV) é igual ou superior a de Dilma. E no Centro-Oeste, a candidata do presidente Lula tem uma vantagem de 2%, índice dentro da margem de erro admitida pelos institutos.

O Nordeste é a região onde os percentuais de Dilma Rousseff indicam vitória no primeiro turno. Levando-se em conta as médias das pesquisas Datafolha e Ibope, Dilma oscilou negativamente de 65,5% para 63,5%. Serra cresceu três pontos (17% para 20%) e Marina passou de 7% para 8,5%. Hoje, a soma dos percentuais de Serra e Marina totaliza 28,5% contra 63,5% de Dilma.

AQUELE CONSELHO

Sabemos que é difícil opinar por todos os eleitores, mas desejamos que brasileiros e brasileiras tenham consciência e saibam dar o seu voto. Não por ajudinhas como sacos de cimento, porque ele ou ela são bonitinhos e etc. Pesquise os candidatos que por ventura tenham a intenção de votar.A internet está com as informações necessárias.

Boas eleições para todos...

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

ESCREVENDO EM VERMELHO E PRETO

Pelas portas do fundo. O Flamengo está em 15º lugar no campeonato brasileiro. Tem 27 pontos, somente 6 acima do Atlético-MG, o 17º e o primeiro clube posicionado no Z-4 (que caem para a série B).

Restando 15 rodadas para o término do Brasileirão 2010, o clube pode ficar de fora do G4 (classificação para às Libertadores), o principal torneio das Américas. É muito pouco ao comparar a campanha de 2009, quando seguiu numa arrancada histórica do 10º lugar no início do returno até o título, vencendo confrontos diretos e fazendo o artilheiro do brasileirão, o Imperador Adriano.

A história do clube se confunde com grandes times e conquistas inesquecíveis, como na era Zico, o time que vencia todos os campeonatos possíveis e até mesmo o medíocre esquadrão de 92, pentacampeão brasileiro.

Ontem, o Flamengo jogou um clássico contra um de seus maiores rivais, o Fluminense. O empate em 3x3 foi marcado por falhas das defesas das duas equipes. O atacante Deivid marcou seu primeiro tento usando a camisa do Fla, depois de 4 partidas.

“-Eu fui contratado para fazer gols e a cobrança aumentava a cada rodada. Mas eu nunca perdi a confiança e sabia que o primeiro gol era questão de tempo. Mas agora a porteira abriu. Espero balançar as redes muitas outras vezes e ajudar o Flamengo a subir cada vez mais na classificação do Brasileirão” - disse o atacante, através de sua assessoria de imprensa.

Deivid e outros atacantes da equipe estavam sendo vaiados pela torcida, que impaciente não aceitava a falta de gols dos homens da frente. Mais do que isso, a equipe não tem a mesma atitude da temporada passada..

A presidente do Flamengo, Patrícia Amorim, alega que a acusação do envolvimento do goleiro e capitão Bruno no desaparecimento e assassinato da jovem Eliza Samudio foi o auge da depressão rubro-negra. Patrícia relatou detalhes do encontro perturbador que teve com o goleiro no Fórum de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, na última sexta-feira. E diz que a chegada do novo treinador (Silas) tem ajudado no processo de recuperação do elenco rubro-negro.

“-Não vencemos o Fla x Flu, a vitória esteve em nossas mãos, perdemos a oportunidade de acabar de vez a crise, mas o grupo está mais unido e daqui a pouco o Flamengo voltará com força total.” - Patrícia Amorim.

A nação rubro-negra aguarda ansiosamente melhores resultados e pra começar, o Fla enfrenta o Grêmio, na quarta feira em Porto Alegre e o Palmeiras no Engenhão, sábado. Juan pode voltar ao time, após lesão, fortalecendo o lado esquerdo. A missão é difícil, não impossível, e o clube precisa das vitórias para aproximar das primeiras colocações.

MAIS GOTAS VERMELHO E PRETO

A presidente Patricia Amorim botou a boca no trombone sobre as denúncias da oposição. A mais polêmica das acusações envolve o nome de Zico. Patricia considera que seus oposicionistas utilizam a tática do terrorismo ao lançar notícias contra o dirigente, em vez de investigá-las internamente.
As acusações apontam que o filho de Zico teria envolvimento nas contratações de Borja, Val Baiano e Leandro Amaral. Patricia garantiu, em entrevista ao site UOL, que não existe conflito de interesses:
Val Baiano e Borja no ataque do Flamengo – nenhum gol marcado
“-O Zico veio com o objetivo de unir o Flamengo e existe um terrorismo dentro do clube contra ele. É lógico que o dever do Conselho Fiscal é checar as contas, mas por que não fazem isso internamente? Não se constrói um clube melhor promovendo terrorismo” - disse Patrícia.
Além de negar problemas com Leonardo Ribeiro, presidente do Conselho Fiscal, a mandatária garantiu que efetuará o pagamento de Borja em breve e alfinetou:
“-Eles receberão o dinheiro antes dele fazer um gol aqui “– disse.
Curiosamente, Borja marcou no Fla-Flu do Brasileirão Sub-23, domingo, em Xerém.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

UMA VERGONHA!

Artigo: Vereadores de Juiz de Fora voltam a receber por reuniões extraordinárias

e 14º e 15º salários.



Cofres públicos têm mais gastos após decisão do Tribunal Superior. A Câmara Municipal de Juiz de Fora têm 19 vereadores e cada um recebe o salário de R$ 9.288,00. Um bom salário não acha? Mas parece que é pouco, pois o Tribunal de Justiça de Minas julgou ser merecido os benefícios para as cadeiras legislativas de nossa cidade. Isso já acontecia até junho de 2009, quando o Procurador Geral da Justiça, Alceu José Torres Marques, entrou com uma ação direta de inconstitucionalidade contra a lei 11.617 que concede os benefícios e teve na ocasião o cancelamento dos mesmos.


No entanto, na última quarta-feira (dia 08), a corte superior do tribunal decidiu que a verba das reuniões extraordinárias e a ajuda de custo são constitucionais e de imediato retornarão aos pagamentos dos benefícios a cada vereador, totalizando um valor acima de R$ 74 mil sem contar a correção monetária. O gasto é inaceitável. Os vereadores já recebem uma boa quantia em dinheiro para exercer suas funções, são quase R$ 10 mil mensais. Será que isso não basta? Essa quantia poderia ajudar em projetos culturais e esportivos, por exemplo, e quem é da área sempre escuta a mesma história de falta de verba quando pede apoio aos órgãos públicos. Por que será?


Privilegiados. É isso! A palavra para explicar o que são os vereadores da Câmara Municipal de Juiz de Fora. Recebem apoio e compreensão do Tribunal de Justiça. Indignação de todos que trabalham, vivem e constroem Juiz de Fora. Uma vergonha estampada nos noticiários para que todo o mundo possa saber que ainda existem Marajás neste país. Ouvimos políticos falar de ética. Isso é ético? Um país de pessoas assalariadas e seus representantes recebendo benefícios absurdos. Qual cidadão deste país recebe 14º ou 15º salário?


O vereador deve receber pelos benefícios que traz a sua comunidade, com isso, causando maior interesse dos mesmos aos seus compromissos públicos. Mas, na dura realidade na Câmara Municipal da então “manchester mineira” é ganhar um extra, por mais que seja ordinária, mas é extraordinária. Coloca na conta. Vergonha! Vergonha! Vergonha!

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

SE JOGAR ÁGUA, O CRIME CRESCE COMO UMA ÁRVORE

Folha de São Paulo
01/09/2010 - 11h10
Taxa de homicídios no Brasil cresce 32% em 15 anos, diz IBGE



COLABORAÇÃO PARA A FOLHA
A taxa de homicídios no Brasil cresceu 32% em 15 naos, de 1992 a 2007, de acordo com a pesquisa IDS (Indicadores de Desenvolvimento Sustentável) divulgada hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em 2007, a média foi de 25,4 mortes para cada 100 mil habitantes, enquanto em 1992 o índice ficou em 19,2 mortes.
O Estado com a situação mais crítica foi Alagoas, com 59,5 homicídios para 100 mil pessoas. Espírito Santo ficou em segundo, com 53,3 homicídios por 100 mil, e Pernambuco ficou em terceiro no ranking dos Estados com mais homicídios, com 53 mortes por 100 mil habitantes.
As menores taxas estavam em Santa Catarina (10,4), Piauí (12,4) e São Paulo, que passou de 28,5, em 2004, para 15,4, em 2007. Segundo o IBGE, a taxa de homicídios subiu de 1992 a 2004 e, a partir deste ano, teve uma tendência de queda até 2007. Em relação às mortes por acidentes de transporte, o maior valor apareceu na região Centro-Oeste, que teve 44,8 mortes por 100 mil habitantes. A região Sul ficou em segundo lugar, com 43,2 mortes por 100 mil pessoas. A média brasileira para este tipo de morte foi de 20,3 por 100 mil, menos da metade das taxas no Centro-Oeste e no Sul. Os dados são de 2007.




Comentário sobre matéria da Folha de S. Paulo


O texto com data de 01/09/2010 da Folha de S.Paulo comenta alguns dos assuntos mais discutidos nos últimos anos pela mídia brasileira. Violência e acidentes de trânsito. Sabemos que são um dos maiores fatores de perdas de vidas em nosso país, depois de doenças cardíacas e cancerígenas. Logo de entrada, o texto passa a informação de que a taxa de homicídios no Brasil cresceu 32% em 15 anos. É lamentável, triste e aterrorizante. E no final, faz um comparativo dos crimes com os acidentes em morte de nossas rodovias.

Faremos uso de dois discursos neste comentário. O primeiro voltado ao texto da Folha, com os dados do IBGE, IDS e etc. Reforçando a ideia de que a violência teve um acréscimo considerável e ganhou força a cada dia. É possível enxergar o aumento de violência no Brasil, tendo como base a formação de grupos criminosos, como o Comando Vermelho (C.V.) no Rio de Janeiro, o Primeiro Comando da Capital (PCC) em São Paulo, entre outros. O que assistimos em programas televisivos é que cada vez mais o crime se organiza. Eles possuem armas de poderosos exércitos (Israel, EUA, Rússia), um grande volume de drogas, produtos roubados e grande número de pessoas envolvidas no grupo. Mas resume informando que de 2007 pra cá, a situação está mais favorável, com consideráveis diminuições. Será mesmo?

De outro lado, um discurso sensacionalista. Será? Jogar tantos números negativos para os leitores, seria proposital? Estamos às vésperas de mais uma eleição em nosso país, quem sabe se aterrorizar as pessoas seria uma coisa interessante? Estados foram destacados. Isso poderia ajudar? A segunda versão dos fatos é mais ácida, mas não podemos deixar de considerá-la. Devemos lembrar que o aumento populacional do país nos últimos 15 anos também aconteceu. “A grosso modo, mais pessoas para almoçar, mais água no feijão”. Pode-se aceitar o acréscimo de ocorrências devido a isso e também das facilidades encontradas para a compra de armas e drogas. E não menos, o envolvimento de alguns policiais, cúmplices dos criminosos.

É difícil assumir o lado a pensar, é necessário cuidado. Uma empresa de comunicação de massa pode mudar o rumo de um pensamento coletivo. Devemos enxergar os fatos como um todo. Existe o aumento da criminalidade, mas também um aumento de população, consumo de armas e drogas e pobreza. A resposta para esse impasse está aí!