Blog do Sabones - Expediente

Blog do Sabones - Expediente

domingo, 30 de agosto de 2009

"Festival de Talentos - Rádio Difusora - Parte 2"

“Show de Talentos – Rádio Difusora – Parte 2”

No último domingo (dia 30), aconteceu a 2º eliminatória do Festival de Talentos da Rádio Difusora, na sede do Clube Democráticos, centro de São João Nepomuceno - MG. Desta vez, 13 apresentações disputaram mais quatro vagas para as finais, que acontecerá no dia 13/09.

Com um público superior ao do dia 23, observou-se o sucesso do evento que está apenas começando nas manhãs de domingo da cidade. Írio Henriques foi o mestre de cerimônias e o diretor- presidente da emissora, Isaías Sporch de freitas, fez mais uma vez a abertura do evento. Em suas palavras, diz estar muito satisfeito com o festival, resgatando historicamente sua tradição, pois, décadas atrás, o mesmo acontecia nos auditórios da já antiga rádio sãojoanense, que neste ano completou 56 anos de funcionamento no município.

Resumo do dia 30/08/09:

Jurados:

- Luis Quirino de Freitas (cantor) – Deu uma canja no intervalo com seu “vozeirão”.
- Bernadete (Empresária e amante da cultura) – Trajou Barbie e até desfilou para o público presente. (risos)
- Anysio’s Hair (Cabeleireiro e coreógrafo) – Narrou o desfile de Bernadete.
- Wendell Barroso (Músico, cantor).
- Márcio Sabones (Cantor, ator e jornalista) – Deu uma canja no intervalo.

Músicos convidados (suporte):

- Guilherme Teixeira (violão/guitarra) e Marcelo (teclado).

1 – Elias Nivaldo da Silva (Sertanejo)
Muito bem vestido, ótima postura no palco e boa comunicação com o público, escolheu uma canção da dupla Zezé de Camargo e Luciano. Isso troxe benefícios e prejuízos ao candidato, pois, teve o coral da platéia (música conhecida), mas o tom desses músicos é bem alto e Elias deixou a desejar em certos momentos de sua apresentação, fazendo com que não conseguisse sua classificação. Foi muito bem, não deu dessa vez. Parabéns.

2 – José Antônio da Costa (Negão da Roça Grande) (Sertanejo)
Com voz grave e rouca (lembrava MC Catra – funk), cantou o clássico - Beber, cair e levantar. Comunicou bem com o público (até com declarações de amor ao final da apresentação, rsrsrs...). Perdeu o fôlego em certos momentos, prejudicando o ítem voz. Sua postura também ficou comprometida, usou pouco o centro do palco e de vez em quando estava de costas. “O Negão”, não conseguiu classificação, porém, conquistou a todos com sua simpatia e danças no momento do resultado final. Parabéns viu!

3 – Pâmela e Amanda (Fresno)
As duas belas garotas mostraram que além da beleza, também possuem talentos para a música. A escolha foi muito legal, bem jovem, mas num momento Pâmela perdeu o tom – isso comprometeu a dupla. Apresentaram um pouco tímidas e não conseguiram classificação. Valeu garotas, vocês tem futuro! Parabéns.

4 – Banda “The Puzzle” (Caio, Gustavo e Brener) Rock Internacional
O vocalista bem típico do rock, aparência com Jagger (Rolling Stones), mas estavam bem acanhados no palco. Os jurados sentiram que faltou um pouco mais de sincronia no grupo e a postura de Brener foi penalizada por ficar com uma das mãos na cintura. Os meninos não conseguiram classificação, entretanto são donos de um talento enorme e o inglês estava certinho! Parabéns.

5 – Jermani Welber de Souza e banda (Rock)
Com um visual bem legal, apresentou uma canção própria. A voz e a comunicação com o público estavam ótimas, somente atentar para a postura em palco (olhar mais para a platéia). Foi o terceiro melhor classificado e no dia 13/09 enfrentará os outros onze candidatos ao título. Parabéns e boa sorte!

6 – Grupo Salto Alto (Samba)
Sete belas meninas formam o grupo de samba. Elas capricharam no visual, confeccionando camisas com o nome do grupo e alguns adereços como chapéu, lencinho, suspensórios e etc. A vocalista Fabiana, dona de uma bela voz e a evolução dos instrumentos foram peças chaves para que as moças conseguissem a classificação em segundo lugar. Atentem para o coral – em certos momentos ele entra fora do tom. Parabéns e Boa Sorte!

7 – Paulo Barbosa (Seresta)
Todo de branco! Foi assim que Paulo apresentou no palco dos Democráticos. Atrapalhou-se com o ritmo em alguns momentos e faltou fôlego para concluir a canção. Isso foi fatal para sua desclassificação. Grande figura! Parabéns.

8 – José Juliano Francisco (MPB)
Com a participação de Márcio Marreco (violão) e Peteca (percussão), levou um excelente som. Bem vestido, dono de uma ótima voz (lembra Raul Seixas) e bem tranquilo no palco. Conseguiu a classificação no quarto lugar. Muito bom! Parabéns e Boa Sorte!

9 – João Batista Souza (João Chica) (ritmo não identificado – rsrsrs)
A apresentação mais rápida no Festival até o momento (cerca de 1 minuto). Postura: intacto no palco. Comunicação com o público: não dava para entendê-lo. Voz: estava fraca. Ritmo: qual? Rsrsrsrs.

10 – Grupo Nosso Jeito (Samba)
Os rapazes “botaram pra quebrar” no palco. Excelente vozes e instrumentistas. Sincronizadíssimossss. Foram alertados para o figurino (evitar bonés e bermudas). Classificaram em primeiro lugar e vem com tudo para a final. Parabéns e Boa Sorte!

11 – Eudes Mendonça (Música Caipira – Raíz)
O senhor Eudes usou com maestria sua viola, mas parecia um pouco tenso no início. Sua voz oscilou em certos momentos, segundo ele, devido a uma gripe. Foi uma pena, mas não conseguiu a classificação. Parabéns Sr Eudes, uma preciosidade.




12 – João Dessupoio (João Boi) (Sertanejo – Romântico)
Excelente instrumentista e de ótima comunicação com o público. Dono de uma voz forte. Foi alertado para não engolir os “s” das palavras no plural. Teve uma boa apresentação mas não se classificou. Parabéns.

13 – Eriton e Emerson (Sertanejo)
Com 14 e 11 anos de idade respectivamente, os meninos da cidade de Descoberto mostraram personalidade no palco e bom ritmo musical. Foram alertados para prováveis gritos no meio da canção. Os garotos não conseguiram classificação, mas certamente brilharam na apresentação. Parabéns.

Os classificados na 2º eliminatória:

1 – Grupo Nosso Jeito
2 – Grupo Salto Alto
3 – Jermani Welber de Souza
4 – José Juliano Francisco


Os classificados nas duas eliminatórias:

Silvana Ribeiro
Bruno Lemos e Ricardo
Everaldo (Vê)
Joni e Isac
Grupo Nosso Jeito
Grupo Salto Alto
Jermani Welber de Souza
José Juliano Francisco

sábado, 29 de agosto de 2009

“1º Festival de Talentos – Rádio Difusora – Parte 1”

A Rádio Difusora de São João Nepomuceno está organizando o 1º Show de Talentos da cidade e região, com realizações aos domingos, de 9hs às 12hs da manhã, na Sede do Clube Democráticos, Praça do Coronel José Braz.

A idéia vem do diretor presidente da emissora, Isaías Sporch de Freitas, que busca encontrar e incentivar talentos musicais e estimular a cultura de nosso município. O festival conta com 30 apresentações, sendo elas divididas em três eliminatórias aos domingos (dias: 23/08, 30/08 e 06/09), e a fase final (dia 13/09).

A cada eliminatória, quatro das dez apresentações são classificadas para a final, e o vencedor levará para casa um violão oficial do Emmerson Nogueira. Os jurados são: Luis Quirino de Freitas (cantor), Bernadete – Papagaio (empresária e amante da cultura), Anysios Estevão (cabeleireiro, coreógrafo), Wendell Barroso (cantor) e Márcio Sabones (ator, cantor e jornalista) e devem acompanhar ao vivo as performances e comentar ao final de cada apresentação sobre os pontos positivos e negativos de cada artista.

Eles julgam comunicação com o público, postura de palco, voz e ainda dão alfinetadas sobre figurinos e músicas. O ouvinte pode participar pelo telefone (32) 3261 1344 e dar sua nota (tempo estimado para até 5 min após a apresentação do cantor(a)). As notas dos jurados e dos ouvintes são somadas e tem-se o resultado do dia.

A apresentação é do locutor da casa Írio Henriques. Nos intervalos, os membros do corpo de jurados e alguns funcionários da emissora dão suas palhinhas para o público presente. (recados, piadas e apresentações musicais).

Nesse domingo aconteceu a primeira eliminatória e os dez primeiros candidatos foram: (segue nome, resumo da apresntação e resultado).

1 – Silvana Ribeiro (Gospel)
Apresentou-se com muita confiança, excelente postura no palco, muito bem trajada e elegante. Cantou uma musica de estilo gospel e mostrava-se nitidamente emocionada pela paixão da evangelização. Isso ajudou e atrapalhou Silvana, pois, ela passou força, olhos nos olhos dos espectadores numa voz doce, mas que em certos momentos oscilava. Sua apresentação foi belissima, não foi por acaso que classificou em primeiro lugar. Deve delegar um pouco a voz, para evitar próximas oscilações nas finais. Boa Sorte e Parabéns!

2 – Joni e Isac (Hip Hop)
Ousadia. Trouxeram o som do Hip Hop com uma belíssima mensagem (paz, dignidade, não às drogas). Apesar de certas pessoas sentirem “ircs...” pelo estilo, passaram muito bem o recado. As vozes estavam excelentes, mas faltou um pouco mais de postura da cultura hip hop, pareciam pouco acanhados. Eles classificaram em quarto lugar. E para as finais caprichem nos movimentos dos corpos, o hip hop exige, faz parte dessa cultura tão bacana. Boa sorte e Parabéns!



3 – Iasmin Lemos (Gospel – Infantil)
A linda Iasmim, de apenas 7 aninhos deixou-nos encantados, mas não se classificou. Com o jeitinho meigo, balançando o corpinho na melhor versão infantil e com os olhinhos correndo para um lado e outro, ela se perdeu no ritmo e as vezes arranhava na voz. Ela é muito jovem e com uma boa aula de canto para usar melhor as técnicas da arte da melodia, acreditamos que brevemente teremos mais um grande talento em nossos palcos.


4 – Bruno Lemos e Ricardo (Sertanejo)
Os dois belos jovens mostraram uma dupla bem interessante. Enquanto Bruno era mais extrovertido, o parceiro Ricardo tímido. Mas bastaram alguns minutos para os dois encaixarem o ritmo e conseguirem a segunda colocação no geral. Òtima voz também. Fizeram uso de coreografia no palco, foi simples, mas serviu para acender a platéia. Para as finais, caprichem na apresentação e percam a timidez. Parabéns! Boa sorte!

5 – Léo, Teilon e Maylon (Samba)
O grupo fez uma boa apresentação. Usou sincronia muito interessante no início, com o uso de entrada de instrumentos musicais por escala e o cantor narrou a origem do trabalho, mas o mesmo deixou a desejar no canto. Isso foi fatal para a eliminação do grupo. Esperamos vocês numa próxima edição.

6 – Vigorito Rodrigues (Valsa)
O senhor Vigorito não teve a felicidade na manhã de domingo. Tentou levar um CD como playback e nada deu certo. Uma péssima gravação e o rendimento abaixo da média que causou sua desclassificação. Os jurados mal puderam acompanhar o trabalho do artista e até culparam o operador de som, Charles Eduardo, (risos). Mas em forma de brincadeira.

7 – Euclides Miranda (Valsa)
O senhor Euclides, mostrou-se bem animado pela idade e um pouco incomodado para chegar sua hora de cantar, pois tinha de tomar medicamentos e estava com fome. (risos) Uma figuraça que com muita simplicidade encantou a todos, mas que infelizmente não conseguiu aprovação. Foi penalizado na postura com uma das mãos no bolso, com voz baixa e também fora do ritmo. Nem esperou os comentários, desceu do palco e foi embora. (risos de novo)

8 – Everaldo Moreira da Silva (Vê) (Samba)
O então conhecido sambista Vê, apenas reforçou que é um grande talento e fez uma excelente apresentação. Boa voz e comunicação com o público. Foi alertado para melhorar um pouco a postura, fazendo o uso de um estilo malandro, devido ao samba e do figurino. Foi o terceiro melhor classificado. Boa sorte!

9 – Hélio Braz (Tampinha) (Samba-canção)
Vamos direto aos comentários: Postura: balançando e olhando para o alto. Comunicação com o público: Ninguém entendia o que dizia. Visual: Meu Deus! Voz: Me abana Jesusssss!!! (risos) Valeu pela tentativa!



10 – Zé do Rancho (Sertanejo)
Excelente instrumentista (violão) e dono de uma voz grave, Zé apresentou-se tranqüilo e a caráter. Não conseguiu classificação, mas poderia ter soltado um pouco mais o vozeirão. Uma pena não ter se classificado.

Assim, temos os classificados para a grande final no dia 13 de setembro de 2009:

1 – Silvana Ribeiro
2 – Bruno Lemos e Ricardo
3 – Everaldo (Vê)
4 – Joni e Isac

domingo, 23 de agosto de 2009

"Show do Emmerson Nogueira em São João Nepomuceno"


No sábado, dia 22, aconteceu nos Trombeteiros Country Club mais um mega evento que recebeu o público sãojoanense e de toda região lotando suas dependências para assistir o super show de Emmerson Nogueira e Banda.

Na abertura, Dudú Lima trio, com o melhor do jazz, apresentaram músicas de própria autoria e outras com versões mega interessantes tais como: Brasileirinho, O clube da esquina nº2 entre outros. Dudú é referência nacional deste estilo e todos os anos é o baixista oficial da banda de Stanley Jordan, um monstro sagrado do jazz norte-americano, quando faz sua tourneé pelo Brasil. O trio formado com o sãojoanense Ricardo Itaborahy nos teclados e o juizforano Leandro Schio na bateria, abalaram as estruturas do vermelho e verde num som envolvente e apurado. A platéia delirou com os solos de Dudú, que chegou a descer do palco e solar seu baixo frente as mesas dos convidados. O também sãojoanense Webber Martins deu aquela canja na bateria deixando a galera “enlouquecida” no salão. Foi demaissss! O trio já tem contato por quase 20 anos e no camarim Ricardo lembrou da presença do trio nos principais Festivais do Jazz do Brasil (Rio das Ostras e Ouro Preto) e também da emoção pelos momentos vividos naquela noite.

O show de Emmerson Nogueira e banda começou quando o relógio marcava 00hs48min, e o que assisti foi algo de tirar o fôlego; uma platéia animadíssima e com um coro afinado para acompanhar o filho de nossa terra a frente de sua brilhante banda. Ouvimos Supertramp, The Beatles, Pink Floyd, Peter Frampton, Credence Clearwater, Simon and Garfunkel, Legião Urbana, Queen entre outros grandes sucessos da história da música. A verdade que não havia “uma viva alma” naquele lugar sem se mexer. E o melhor foi a oportunidade de reencontrar alguns amigos que há tempos não os via. De cara, ao chegar no Country, tive o agradável encontro com Betto Vampiro e toda sua troop, inclusive seu filho Luis Gustavo, o qual fomos companheiros de classe no ginásio (hoje, ensino fundamental). No camarim, bater um papo com os amigaços Dudú Lima, Ricardo Itaborahy e Vinícius Nallon. No salão, a presença marcante do Ferdi Rocha, a alegria de Nóia e Marcelo Pitico, a classe e exuberância de Lou Bezerra e a simpatia do casal Antônio José Medina e dona Laís.

Tive o prazer de ser o Mestre de Cerimônias, e tentei caprichar pra valer na locução e no visual (trajando social que lembrou os meninos do CQC - Rede Bandeirantes) rsrsrsrs. Com a missão de apresentar aos shows e ser o porta voz da Paróquia de São João Nepomuceno, agradecemos às pessoas que apoiaram com o patrocínio, disponibilidade de tempo e companheirismo para que o evento acontecesse - lembrando que parte do lucro foi revertida para as obras da Igreja Matriz, que em 2011 completará 200 anos de construção.

Dizer que foi bom demais é pouco para o que aconteceu ontem a noite. São João dançou na noite fria de 22 de agosto de 2009, e entrou no domingo orgulhosa de ter tantos filhos talentosos, que sem dúvida desmente a máxima de que “Santo de casa não faz milagres”!

Valeu!

"Do tempo de quem?"

“Você já pensou que antigamente as pessoas não sabiam ser felizes e que no futuro ninguém vai respeitar nada que foi construído até hoje.” É lógico que não é verdade, mas é o que sentimos ao nos referir de nossas épocas.

É por isso que acabei escrevendo este texto hoje na parte da tarde. Temos uma tendência de achar que em nossa infância e juventude as pessoas eram mais amigas, as músicas eram melhores, os programas de rádio e TV também. E as festas!!! Aquilo sim eram festas de verdade...

Meus pais cresceram ouvindo o rádio, pois TV, poucos tinham condições de possuí-la, e quem tinha curtiu National Kid, Jota Silvestre, Silvio Santos, entre outros. Ouviram a Jovem Guarda, Frank Sinatra, Beatles, Elvis, Bossa Nova, Nelson Gonçalves, Vicente Celestino e sofriam ao ouvir os jogos de futebol no “radinho” cheio de interferências. Dançaram o twist, as serestas, em bailes de gala nos clubes sociais da cidade, trajando vestidos e terninhos. Ajudavam as mães com as tarefas de casa, os mais ricos freqüentavam a escola até concluir o ensino médio e tinham pouco tempo para brincar na rua e pegar passarinhos na arapuca. Caso acontecesse divórcio entre casais, era um escândalo...um absurdo....uma catástrofe...o fim do mundo!!!!

A minha geração, os que passam dos 30 anos, (risos), curtiram o auge da TV com Vila Sézamo, Bozo, Xuxa, Balão Mágico, Chaves, Chapolin, Silvio Santos, Jaspion, Casal 20, Os Trapalhões, Spectroman e assistiamos em massa a novela Roque Santeiro e ficamos curiosos para saber quem matou Odete Roitman em Vale Tudo. Futebol na TV, só o que a emissora queria passar. Lembra do ATARI e os brinquedos da Estrela? Dançamos o som do rock nacional (Legião Urbana, Barão Vermelho, Paralamas do sucesso, Kid Abelha, RPM...), Michael Jackson, Madonna, A-HA, Pet Shop Boys, Queen e outros. Nossas festinhas eram nas garagens e varandões das casas dos amigos, e os cocktais eram servidos com ponche, Coca-Cola, salgadinhos. Freqüentávamos boites, onde as atrações eram os efeitos de iluminação, tal como o terrível stroble (e aqueles piscas-piscas que nos deixavam tontos), a terrível fumaça que embaçava a visão e os deliciosos Hi-Fi e Cuba Libre. Vestíamos roupas da Company, Speedo e os jeans da Mesbla. Todos iam à escola, os mais ricos nas particulares e os menos favorecidos nas públicas. Poucos eram aqueles que ajudavam em casa e após os estudos, brincar de pique, queimada nas ruas e aderimos a idéia dos pais ao pegar passarinhos e prendê-los nas gaiolas. Já os divórcios começam a acontecer com mais freqüências...

Hoje, na era da informática, a moçada fala sobre msn, orkut, chat’s, online, offline, sites, google, blogs, mp3, mp4, mp5, mp6...meu Deus!...isso é infinito, rsrsrsrs...Memória hoje, não é aquela que está no cérebro e sim o que fica localizada no computador; e a boa, é a que tem mais Gigas... Curtem Hanna Montana, Lost, ah! TV só a cabo e paperview! Com uma imensidão de duzentos e poucos canais. E o futebol!?... Ai que sonho, assistem o que querem. Campeonatos regionais, nacionais, internacionais e se quiser, até os jogos do torneio russo. O Silvio Santos ainda é assistido aos domingos, aliás, até onde vai esse homem? Rsrs.. Na música, coisas eletrônicas com um monte de barulho (uma verdadeira pândega). O funk e o Hip Hop são sucessos no meio da meninada, e o forró ganhou uma projeção super nacional. As festas, vestem bermurdas, camisetas, saias, blusinhas e as vezes nada...rsrsrs... e começam com a farra às 22 hs de uma sexta-feira e terminam às 13hs do domingo, fazendo uso de “balinhas e aguinhas”..., louvação chamada de raves... sou irônico né!? Rsrsrsrs... Estudam na parte da manhã, fazem inglês e informática a tarde, aulas de balet, capoeira e natação no fim da tarde e a noite, musculação, pois a estética vale muito nos “tempos modernos”. Ah! E os passarinhos? Não pode. É crime. Eu concordo com isso, porque o bichinho não fez nada pra ser preso. Ficar casado por mais de 20 anos é raridade, digno de aplausos...

Cada geração vive num tempo distinto da outra, com tendências e usos diferenciados. Digo que não existe uma época melhor e sim uma de cada geração. Temos que nos adaptar a cada dia, mês e ano...

Como dizia o músico Lulu Santos em uma de suas canções de grande sucesso: “Nada do que foi será, de novo do jeito que já foi um dia...”

terça-feira, 11 de agosto de 2009

"Quem está falando?"


Quem tá falando?

Moro em São João Nepomuceno, cidade localizada na Zona da Mata mineira que dista aproximadamente 80 km de Juiz de Fora e 250km do Rio de Janeiro. Minha cidade tem um pouco mais de 25 mil habitantes e é bem acolhedora, mantendo tradicionais famílias e costumes interioranos. Nos últimos anos recebemos vários moradores de outras localidades. A principal economia do município é o vestuário, com centenas de confecções, facções e lojas de pronta entrega em serviço local e exportações.

Mas o assunto deste texto é de como são interessantes as maneiras de falar, ou melhor, dar notícias por aqui. Com minha experiência e sempre atento com os ouvidos “em pé” (risos) para os casos, fofocas, boatos e calúnias que acontecem, resolvi fazer um ligeiro comentário nesse espaço democrático do site. Aliás, são maneiras distintas de se passar informações, pois o boato é dito assim: - Estão dizendo por aí!; já as fofocas: - Você ta sabendo do que estão dizendo?; e a calúnia: - Menina! Senta aí. Você não vai acreditar!; e aí, lá vai bomba! (risos)

Elaborei uma lista de formas de dizeres pelos populares em São João, tais como os:

- Misteriosos: “Estão dizendo por aí” que Ciclano brigou com Fulano. (Quem está dizendo).

- O médium: “Ouvi dizer” que Ciclano é doido. (Quem disse? Um fantasma? Rsrsrs).

- Fonte duvidosa: “Aqueles caras” disseram que Ciclano não pagou a conta. (Gostaria de saber quem são aqueles caras).

- O esquecido: é a pior maneira de passar a informação, com esquecimentos e falta de detalhes. – Sabe quem foi preso? Foi o....! Filho do.....! Mora no.....! (risos)

- As más línguas: Segundo“as más línguas”, Ciclano foi enganado. (O que seria a má língua? Uma língua feia, deformada...?) e quais pessoas teriam essas más línguas.

- Os piolhos de cemitério: eles sempre sabem quem morreu, e parece que antes mesmo de tê-los morridos, rsrsrsrs....

- Os sentinelas: posicionados estratégicamente no Bar Central. (local de grande circulação de pessoas e de variados assuntos em pauta...rsrs)

- As fadinhas: tem a capacidade de transformar a empregada em princesa ou vice-versa, mas no nosso caso, a princesa vira empregada mesmo...rsrsrsrs....Tem o poder de construir histórias diversas sob pré-conceitos maldosos. Ex: traições de casais, inventam mortes (disseram que minha prima morreu afogada em Guarapari, mas o seu fantasma roda a cidade até hoje e tem carne e osso...rsrsrs), fulano está quebrado (se trocar de carro para um inferior), ciclano é gay (se for solteirão até os 40) e assim por diante.

O fato é que o anonimato sempre está presente nas informações mais corriqueiras da cidade, portanto, é difícil decidir em quais delas pode-se confiar, mas o pior é que a maioria dos habitantes daqui acreditam e isso pode causar transtornos incríveis.

Acredite se quizer, mas em São João eu já deparei com mortos nas ruas, aliás, o que já mataram de gente com essas conversinhas, vocês não fazem idéia. E o pior é o susto que se leva, porque fui muito inocente em acreditar. Eu, por exemplo, pelos boatos já fui casado em São Paulo (na verdade namorava, só isso), gay (fui Rainha do Barril¹ em 2005 e faço parte de um grupo de teatro, onde interpretamos entre os vários personagens, as BIbas²) e até amante de mulheres casadas, (risos)... Dou risada agora, mas quando acontece é desagradável e demora para corrigir a situação.

Tem uma arma das chamadas “más línguas” que é o achismo: Eu acho é muito complicado, podendo transformar-se real pela imaginação fértil de ouvintes e ter outras interpretações pelos menos atentos. Como citei acima, a cidade é pequena e a notícia chega rapidamente nos ouvidos dos outros. Efeito esse chamado de avalanche no jornalismo, onde o fato é dito de boca a boca sem ao menos a pessoa ter testemunhado o ocorrido.

Lembram daquela brincadeira do telefone? Aquela em que formávamos um círculo com os nossos amigos e começavamos com alguém dizendo uma frase no ouvido de outro. E era super engraçado quando a brincadeira chegava ao fim, após passar por bocas e ouvidos de dezenas de garotos e garotas, com a total deformação da frase inicial.

E é mais ou menos assim que acontece por aqui. O que já teve de gente morta e que estão vivas, de mulheres e homens que traíram e foram traídos com pessoas que nunca trocaram palavras. Afogamentos em cabo Frio e Guarapari são um dos boatos preferidos pelas línguas do mal. (risos)

Interessante é que as pessoas sentem a necessidade de se comunicar uma com as outras, mas que seja de forma limpa e sincera, sem falsas interpretações e omissões de fontes.

"Para meu filho esquizofrenico"

- O texto que vou apresentar foi escrito por uma mãe, cujo filho tem esquizofrenia. E como vivemos num momento onde “a novela das nove” apresenta o tema, seria mais uma forma de refletir sobre o assunto.


Meu moço bonito, de olhos azuis.


Você vive nas estrelas, mora na lua, viaja nas nuvens.
Você é o surfista da ilusão... Sobe à crista das ondas.
Sente-se o atleta, o poderoso, o profeta, o rei Salomão... Com sua mente delirante, divaga... Tudo faz, tudo pode e domina...
É o próprio Criador!
No mesmo instante, cai sem a prancha protetora no caos, no abismo da depressão.
E, na morte que o sufoca, pede, chora, suplica, implora.
Sente a ausência da vida, o abandono total, a escuridão...
Chora. Clama. Ora. Ama. E até odeia...
E a onda, indiferente, continua.
Ora sabe, ora desce, impiedosa.
Sabe?
Há alguém que viaja como você e chora com você;
Há alguém que se distrai com você e se ri de você;
Há alguém que se cansa de você e foge de você;
Há alguém que se preocupa com você;
Mas há alguém que vive e morre por você.
Nesta mistura de sentimentos, me perco, me procuro, me busco e me encontro.
E, quem sabe? Distrairia-me também, com a onda desconcertante de seus devaneios, se não fosse eu, a sua Mãe?!


(Janeiro/1990, Delisete M. Torres e Torres)
(filho com esquizofrenia)